terça-feira, 21 de setembro de 2010


– VÓ, SEU CHÁ ESTÁ ESFRIANDO...



...ela levantava o vestido, o rapaz a observava com olhos arregalados.



– Hoje, estou relembrando muito o passado. Como está?



... beijavam-se e ele colocava a mão entre suas pernas



– Caiu a xícara! Queimou a mão, vó?



...estavam tão entretidos um no outro que não perceberam que um homem os espreitava.



– Não me queimei, só molhei o vestido. Não acordei bem, lembranças já esquecidas estão vindo à tona. Mudando de assunto, como está o namorado?



... o homem invadiu o porão onde estavam. Mandou a moça ir para casa. Ela obedeceu e ao longe viu os berros de dor do jovem.



– Estamos no conhecendo, não sei se é o cara certo. Será que vou encontrar a minha alma gêmea, como você e o vovô?



...No quarto, esperava o pai. Ele apareceu e deu uma surra nela. Diz que ia para um colégio interno.



– Meu velho era um homem muito bom. Três anos que já se foi, mas sinto sua presença.



...houve a conversa do pai com um amigo, revelando que assassinou o rapaz. O outro comentava que, como era um juiz, não iria acontecer nada.



– Vó, posso fazer uma pergunta íntima. Você não teve outro namorado?



...precisou conter o desespero. Sentia raiva, culpa e náusea. Porém, tinha que ficar em silêncio para não cutucar ainda mais a fúria do pai.



– Eu tive um namoradinho quando era menina, mas não teve importância. O seu avô foi o único homem que amei.



Os olhos da senhora encheram-se d’água e a neta deduz que é por causa do avô falecido. “ Hoje, mais uma vez, pegou-me de jeito rapaz, como sempre fazia nas tardes de domingo”, pensou a senhora.
Postar um comentário