quinta-feira, 26 de outubro de 2017

Tóxica




Quando nasceu, a mãe pereceu e as flores murcharam. Diziam que era maldita, mas, a velha empregada não desistiu da menina.

Cuidava dela com luva, máscara e percebeu que apesar da criança ser tóxica, o  seu olhar transbordava amor. O tempo passou, o bebê tornou-se uma jovem "feinha", entretanto, era muito caridosa com todos, para não envenenar ninguém. Lembrava-se de cada morte de bichinhos, que tocou por curiosidade quando pequena. 

À medida que seu amor aumentava, sentia que se tornava mais tóxica. Por isso, colocava roupas e luvas impermeáveis e dormia num quarto especial, o qual protegia o mundo de seu veneno. Aonde ia, os habitantes acostumaram-se ao vê-la travestida de  astronauta.

Acostumou-se com a solidão e a achava necessária, assim, ninguém se machucava.  Ajudar a todos se tornou sua alegria e compartilhava seus sentimentos com a velha empregada que a salvou do medo e da ignorância humana.

Começou a pensar como poderia morrer em paz, sem contaminar o ambiente. Decidiu fazer uma manta especial e deu orientações para a senhora cuidar de seus restos mortais. Torcia falecer primeiro,  só confiava em sua "bá" para fazer o serviço.

Anos se passaram e as duas estavam cada vez mais unidas. Quando a velha empregada estava muito doente, pediu-lhe para tirar a máscara e lhe dar um beijo na testa. Disse para confiar nela. A outra sentiu medo, porém, cedeu ao pedido. 

Ao tirar o capacete entrou, pela primeira vez, em muitos anos, em contato como o mundo e se sentiu desprotegida. Beijou a empregada que fora sua mãe. Percebeu que a senhora não passou mal e que nada morreu ao seu redor. Estava curada. 

Então, percebeu o sacrifício que sua “bá” fez, chorando de tristeza e alegria. Agora, entendia o porquê de a senhora rezar baixinho por horas a fio em todos os recantos da casa. Apesar de usufruir a liberdade, sentia culpa.

Precisou de certo tempo para assimilar sentimentos tão conflitantes.


domingo, 15 de outubro de 2017

horário de verão


De tocaia





Está tão absorto num filme de suspense que se esqueceu de trancar as portas. Um desconhecido entra e o espreita, segurando uma faca. Mas, o vizinho viu alguém a entrar na sua casa e pega a arma...

Quem escreve esta narrativa, fica tão compenetrado que não percebe alguém entrar  no recinto. Quando está prestes atacá-lo, uma naja surge e o pica. O dono da casa além de ser escritor, gosta de criar cobras venenosas.

“Não adianta, estou sem inspiração. Vou apagar esta porra e dormir. Mas, ainda sinto que tem alguém na casa a me observar... Tomara que a noite acabe bem, apesar de sentir um peso no peito e pensar em Helena.”

“Quem ele pensa que é, para me descartar. A última coisa que verá, será meu rosto gozando ao vê-lo morrer. Daria uma cena maravilhosa para o seu livro, não? Sempre foi um escritor medíocre.”

segunda-feira, 2 de outubro de 2017

Akira


Quando acordo, ela não vem. Já me conhece a danada.
Ela sabe que quando acordo, continuo a dormir e o processo do meu acordar se assemelha a um parto.
Quando estou acordado totalmente, ela começa a me lamber, para tirar a placenta que me envolve.
Depois, começa brincar, a latir e a se distrair com outras coisas.
E eu corro para tomar banho e começar o dia.

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

Vamos embora


"Tenho um pouco de medo, medo ainda de me entregar pois o próximo instante é o desconhecido. O próximo instante é feito por mim?ou se faz sozinho?" Clarice Lispector
                                               

- Querido, esta festa está se arrastando. Parece que estou aqui há séculos.

- Tenho a mesma impressão. Ouço as mesmas piadas e conversas.

-Vamos embora!

- Querida, será deselegante sair cedo da festa. Além que lá fora está tão escuro e deserto.

 - Prefiro a escuridão a ficar neste lugar. Sei lá, lançar-me no abismo seria melhor.

- Talvez. Não aguento mais comer e beber, sinto-me enjoado.

 - Vamos querido, estamos aqui há muito tempo.

 - E os outros, não sentirão a nossa falta?

- Estão mergulhados em si mesmos, que nem perceberão.

 - Antes de ir, só quero dizer que te amo.

- Eu, também. 

- Querido, olha pela janela! O sol está nascendo!

- É mesmo! Parece que já tinha me esquecido desta bela cena. 

Abraçaram-se e depois saíram da festa. Mesmo se sentindo livres, tinha um pouco de medo do que encontrariam pela frente.

domingo, 27 de agosto de 2017

Realidades




"Estou estranha de novo, preciso fechar bem as portas. Quero ser uma boa esposa e mãe. Mas, minha carne treme e surgem certos pensamentos. Não posso trair minha família, chega de encontros casuais. Lauro me disse que daria mais uma chance, não posso decepcioná-lo . Espera, quem é aquele rapaz de bicicleta em frente da minha casa? Olha fixamente para mim. É tão forte... Farei cara de brava, quem ele pensa que é? Amo minha família, posto isso no face várias vezes. Vou verificar as portas... Estão bem trancadas, mas, os pensamentos fluem. Vou tomar um banho bem frio e fazer um chá de camomila... Ainda bem que ele foi embora."




" Pô, que pipa massa no telhado desta casa. Mas, a tia da janela tá me olhando de cara feia. Nem vou pedir para me deixar subir, ela tem cara de quisumbeira. Mensagem no telefone, é minha mãe. Que chata, eu sei do horário da minha escola. Caralho, já tenho 19 anos... Outra pipa caindo na árvore, fui!"

domingo, 6 de agosto de 2017

DESCONHECIDOS





Pela janela do quarto, esperava seu amado. Tinha paciência e não se importava com o tempo. 

Anos se passaram e o dragão que a guardava, morreu de velhice e se tornou em uma montanha de ossos.

Um andarilho sem  rumo vagava por uma estrada e encontrou uma vereda escondida, por uma densa vegetação. Não sabia a razão, mas, o atalho parecia familiar.

Encontrou um castelo em ruínas e uma montanha de ossos ao lado. Ouviu uma senhora lhe chamar pela janela da torre, convidava-o para entrar.

A idosa ao vê-lo correu e o beijou. O andarilho não se assustou, pressentiu que o encontro estava escrito. A desconhecida faleceu em seus braços e ele a enterrou com um afeto que nunca sentiu por ninguém.

Olhou ao redor e “só havia morte”, pensou. Entretanto, viu os animais caçando e a nutrir suas crias.  A vida continuava fluindo como um rio. Apanhou tudo que encontrou de valor e seguiu seu caminho.

Aproximou a mão no peito, para sentir o colar que tinha retirado da senhora. Pela primeira vez, não se sentiu sozinho. Transbordou-se de amor.


Conto ao som:


 

segunda-feira, 31 de julho de 2017

Dever


Editei uma foto que achei no Google, coloquei um monte de efeitos. Confesso, sou sem noção.





Foi criado por mulheres, mas, identificava-se com a avó, uma senhora forte e com valores sólidos. Todos diziam que era a "patriarca" da família.

Ao crescer, o neto se espelhou na avó e quando esta morreu, ficou com algumas roupas e joias dela. Nos momentos de dificuldade, ele as usava para absorver a força da senhora tão distinta.

Certo dia, ao ver a mulher com uma conversa suspeita, começou a segui-la travestido na avó. 

Então, pegou-a em flagrante. Ela estava aos beijos com uma colega de trabalho num parque afastado da cidade. 


Pegou o revólver e atirou três vezes. Considerou que era seu dever acabar com a pouca vergonha. 

quinta-feira, 20 de julho de 2017

Ele





Quando era menino, lançava-me ao desconhecido de peito aberto. Não sabia o que era medo.


O pessoal lá de casa começou a falar que não podia sair sozinho, porque o monstro me pegaria. De tanto me dizerem, o mostro surgiu em todo lugar, até no meu quarto. Senti bastante medo.

Com o passar dos anos, quando comecei a testemunhar os vários episódios violentos e absurdos do mundo, ele foi se transformando numa criatura frágil.

Até hoje o "monstro" vive comigo. Mora dentro do armário com pavor de tudo que se relaciona lá fora. 



segunda-feira, 10 de julho de 2017

Boas intenções




-Vanusa me escuta! Preciso me banhar na sua Áurea Energética. Quem conseguir se banhar na sua Áurea terá super poderes, Vanusa. Quero ser poderoso para transformar os políticos de Brasília em honestos e bondosos, com minha Espada Laser da Justiça Suprema.
Por favor, Vanusa, me libera sua Áurea Energética, para que eu poça emanar o halo da paz forever para que todos sejam amigos e caminhem de mãos dadas.
Vanusa, não tenha medo! Tenta me entender... Não faça isso, Vanusa! Não tira a roupa, Vanusa. Vanusa, na pula da janela nua, o que os vizinhos dirão. VANUSAAA... Vanusa se foi!


***

Dias depois, recebi uma carta póstuma de Vanusa:


"Querido Eduardo, eu queria muito te dar minha AURA Energética a você, entretanto, você queria usá-la para impor sua vontade. Mesmo tendo boas intenções, querido, seria um ditador com poderes inimagináveis e cercearia a liberdade individual dos indivíduos de escolher os próprios caminhos. Por isso, que decidi acabar com minha vida para que não possa se banhar na minha AURA Energética. O mundo é imperfeito e injusto, mas, acredito na liberdade de escolha e do pensamento de cada indivíduo. OBS: Eduardo, querido, o certo é Aura Energética e não Áurea como já vi postando por aí. Aprenda a escrever, por favor! "



Conto ao som: 


O cocô diz à folha:





- Por que me olha com tanta prepotência? Será varrida e jogada no lixo, também. 

segunda-feira, 3 de julho de 2017

RUMO ÀS ESTRELAS( conto antigo)




Imagem encontrada no google


O pai vivia na biblioteca, diziam para não o atrapalhar. Ouvia a mãe comentar que ele era um acadêmico brilhante.  A menina foi crescendo sem se importar com a ausência paterna. Tinha coisas interessantes para fazer, como brincar no jardim e desenhar imagens que brotavam da sua imaginação. 

Em uma noite, ela ouviu algo bater na janela do quarto e encontrou um unicórnio. Interagiram através do olhar; a garota subiu no dorso nu do animal e voaram rumo às estrelas. 

A partir desse momento, encontraram-se todas as noites até o dia em que o pai faleceu. 

Mesmo que a menina deixasse a janela aberta, a criatura nunca mais voltou.       

Pela primeira vez,




Quando me quebrei em vários cacos, senti uma dor insuportável por não ser mais inteiro. Colei-me e me parti muitas vezes e, com o tempo, tornei-me mais forte. 
Quando me estilhaçava, colava-me e descobria novas formas de mim. 
Compreendi que a inteireza que tinha antes era só aparência. 


Diferente, desta que estou conquistando a cada “despedaço”. 


sábado, 17 de junho de 2017

" Poderia te matar agora"

Imagem encontrada no google

Conheceram-se numa festa. Ambos estavam viajando e sedentos por aventura. Ele a chamou para sair da festa e passear um pouco pela praia.

Completamente sozinhos, caminhavam pela areia e olhavam a lua iluminar o mar. Depois, mergulharam e transaram.

 Tudo estava tranquilo, até, o homem comentar: " Poderia te matar agora."

A mulher sentiu um frio na espinha e se afastou. Ele percebeu que a brincadeira foi de mau gosto e se desculpou. 

Voltaram ao clima de antes e resolveram ir para outro lugar.

Na estrada, ao fazer uma curva sinuosa, o homem sentiu uma forte coceira no nariz e espirrou com força, perdendo a direção. O carro caiu no precipício e explodiu.

Em segundos antes da queda, ela se lembrou de que uma vidente lhe disse de que um homem iria matá-la um dia.

O homem sobreviveu, sentindo-se culpado pelo acidente e pela brincadeira sem graça que tinha feito.


quinta-feira, 15 de junho de 2017

ESPERANÇA


Continuo a me assustar com as coisas que acontecem por aí. Mas, parece que todos se acostumaram com o absurdo e acreditam que a vida é assim mesmo. 
Será que sou só eu, um náufrago em meu quarto, desesperado com as ondas gigantes com rostos de bestas?
Queria tanto me acostumar e a me resignar, não consigo. 
Mais uma vez, à deriva na madrugada, completamente sozinho. 
Ainda bem que tenho esperança.

quinta-feira, 1 de junho de 2017

ESSÊNCIA VERDADEIRA



- Doutora... Já estou muito tempo fazendo essas sessões, mas há um segredo que nunca revelei a ninguém. É que nunca gostei do meu corpo... Não gosto de ser homem, mas não me sinto " bicha". Em sonhos, transporto-me para uma ilha. Eu era uma jovem delicada e havia uma mulher que sempre estava comigo. Era bela e uma sensível poetisa. Ficávamos juntas no imenso mar recitando poesias, nadando e se tocando.  Ela era minha mestra-mãe-irmã-amiga-amante. Será que ela é só fruto da minha imaginação?  Por que estamos separadas? Doutora! O que está fazendo... Dou...

***

Ela se levanta e vai ao divã, onde está Firmino e o beija. O homem se vê transformar na jovem através do espelho, que havia no consultório. Amaram-se e choraram de felicidade. A busca incessante havia terminado.







Conto ao som...



QUARTO DE PENSÃO( conto modificado um pouco)





...Chegaram, ao lugarejo, exauridos. Contaram as últimas moedas para a estada; não queriam mais acampar no mato. Dormiram por horas e nem se importaram com o cheiro denso de suor. Quando começou a entardecer, um desejo brotou-lhes; foram à janela e começaram as carícias. Não perceberam que uma procissão passava através da janela. O rangido do ventilador de teto abafava os suspiros. 

***

Desenho do meu pai...

sexta-feira, 26 de maio de 2017

Terror



Imagem manipulada do filme A noite dos mortos vivos de 1968





No inverno as ruas escurecem rapidamente e ficam mais vazias. Helena anda apressada, quer entrar logo na sua casa.

Ao chegar, tranca-se e, sentindo-se segura, dá uma arrumação rápida nas coisas, toma banho e vai assistir um pouco de tevê. 

Toda casa está escura, só a luz da televisão ligada. Helena deseja se distrair um pouco, sente medo de tudo. 

Quando começa a madrugada, inicia um filme de zumbi. Helena assiste para matar saudade dos tempos que assistia estas histórias com os primos. Era muita gritaria e zoação.

No filme, a heroína está escondida nos arbustos, observa um morto vivo que lhe parece familiar. Neste momento, Helena sente uma presença na janela. É seu primo que não via há muito tempo e viciado em crack. 

Ele está com os olhos vidrados no filme e, por segundos, Helena percebe que seu primo e o zumbi trocam olhares que transbordam uma voracidade imensurável.
Helena desliga a tevê rapidamente, corre para o sofá e se esconde nas cobertas. Reza para amanhecer logo ou cair no sono.

Percebe que o primo se foi, está completamente sozinha no breu da madrugada. Pensa na infância e de como seu bairro foi tranquilo um dia.


De repente, ouve o galo cantar e a movimentação na rua. Helena relaxa e cochila um pouco, ainda tem três horas de descanso até o despertador tocar.

domingo, 21 de maio de 2017

Três irmãos



Um era impulsivo, o outro mediador e o último controlador.

O que equilibrava, cansado de arbitrar, foi embora para encontrar sua individualidade. Anos depois, com remorso, voltou. Percebeu que a casa não fora destruída e os irmãos que sempre estavam em conflito, viviam em harmonia.

Descobriu que eles encontraram seus lados de mediadores e se resolveram sem a sua ajuda. 

Enquanto ele para se sentir completo precisava deixar seu lado impulsivo e controlador se digladiarem.




terça-feira, 9 de maio de 2017

Pelo menos, uma vez na vida...



É uma bela jovem e dirige sozinha pela estrada em busca de liberdade. Seu carro quebra e um desconhecido a ajuda. Dá-lhe carona e uma forte atração surge entre eles.

A mulher tem receio que seja um tarado, já o homem pensa que a jovem pode ser uma emboscada. Talvez seu comparsa está na próxima curva. Mas, ela se reconhece no olhar dele e vice e versa. Os dois querem ser livres pelo menos uma vez na vida.

Nada acontece e param num motel de estrada, só há um quarto vago. Decidem ficar juntos e segundos depois, sozinhos, entregam-se ao desejo até o anoitecer. Sentem-se com asas e voam em todos os recantos inimagináveis.

No entanto, nem se dão conta que seus antigos parceiros obcecados e obsessivos colocaram rastreadores em seus respectivos celulares e já sabem que estão juntos no quarto. Também, reconhecem-se na traição e na vingança.


Estranhamente, quem os visse, teriam a impressão de que estavam com olhos felinos.

segunda-feira, 1 de maio de 2017

VINGANÇA



Por que não posso entrar na roda?
Quero brincar, também, poxa vida?
Quero tanto entrar na roda, mas, ninguém deixa. 
Sempre fico sozinho, vagando por aí.
Quer saber de uma coisa!
Se não me deixam entrar na roda, vou devorar vocês!

domingo, 23 de abril de 2017

Fala comigo

diz alguma coisa sei lá sobre seu trabalho viagem quem te sacaneou espera um pouco continue online esta noite preciso de companhia as lembranças estão jorrando em mim não queria falar daquele jeito com Marina meu pai me telefonou e não quis atender mas e aí vai viajar com a Sandra para onde? O quê está com sono? Nem são três horas da manhã fala comigo o quê? Vai se foder não preciso de ajuda só quero conversar as máscaras voltaram querem me pegar viu a Laura? Como, morreu há dez anos mas eu a encontrei outro dia e conversamos muito ela me disse que mora num jardim lindo... Cara tem pessoas me perseguindo elas são pernetas e usam óculos escuros com certeza é algo ligado ao governo tu sabe que fui abduzido, né? Tem uma aranha me encarando ela tem os olhos da professora Creusa lembra-se dela? Bem, estou muito ocupado e preciso desconectar estou arrumando minhas malas viajarei para Nova York para um congresso ultra secreto até mais querido fique bem e não tente mais se suicidar tá bom





 

sábado, 22 de abril de 2017

SOPRO



Imagem encontrada no google

Quando começou a ouvir algo que não entendia, descobriu que era vazia. Aos poucos, definira formas e significados a partir dos sons que adentravam no fundo do armário.. Não queria ser mais subjugada. Aos poucos a palavra transformava seu corpo artificial em carne e osso.

“Sofia, meu  nome”, disse de repente. Saiu do armário e se olhou no espelho. Era uma mulher nua. Pegou uma blusa e uma bermuda esperou seu “dono”, lendo alguns contos de um livro jogado na cama. Via aquelas letras embaralhadas nas páginas, formando-se em palavras, frases e orações.  Apaixonou-se pela literatura e adorava ouvir o “ possuidor” ler em voz alta, ela começou a nascer a partir daí.  Havia uma citação que espelhava o que sentia:
"A palavra é meu domínio sobre o mundo." Clarice Lispector

Ouviu o barulho na porta, respirou fundo. Já sabia o que diria.
Antônio não comprou uma boneca inflável porque se sentia triste ou sozinho. Queria dar um tempo nas relações amorosas, pois tudo se tornava chato e tinha preguiça de cultivar relacionamentos. Com o utensilio erótico, extravasa todos seus fetiches sem vergonha.

Ao abrir a porta, assustou-se com uma mulher vestida com sua roupa. Quis chamar a polícia, mas ela pediu para que a escutasse. No início, Antônio se sentiu em um romance absurdo e no sense, como uma boneca inflável se tornou uma mulher tão independente e cheia de vontades.  Sofia disse para ele que desejava conhecer o mundo, ler vários livros e que precisava de ajuda. Antônio respondeu que era impossível e a mandou ir embora do apartamento.

A mulher não arredava o pé, então, Antônio ameaçou novamente a chamar a polícia. Sofia argumentou que se fizesse isso, relataria à polícia que ele a abusou por muito tempo, tornando-a escrava sexual. Antônio resolveu cooperar.

   Sofia era inocente, pensava que respirar e ser de carne e osso bastava para ser viva. Entretanto, descobriu que no mundo dos Homens precisava de documentos que provavam sua existência. Sem RG, CPF e Titulo de Eleitor, ela não existia, como muitos por aí. Antônio tentava explicar que, antes de tudo, precisava ter uma Certidão de Nascimento. Como não tinha pais e nenhum outro parente, teriam que procurar a justiça. Enquanto isso, Sofia queira ler junto com Antônio e ele, a princípio meio contra gosto, levou-a até para a oficina literária que participava. Sofia descobriu que ser mulher de verdade tinha alguns convenientes. Sofria com a menstruação, percebeu que quando não tomava banho fedia. Além de odiar fazer cocô e xixi. Todavia, concluiu a que a vida é feita de momentos bons e ruins e que são importantes para existência. 


Realmente nesta história não houve amor à primeira vista, pelo contrário, Sofia e Antônio se detestavam, apesar de gostarem dos mesmos livros e lugares. Toleravam-se. Mas, com o passar das estações, surgiu certa amizade.  Cada vez mais queriam ficar juntos.

Familiares e amigos diziam que ele estava maluco de ficar como uma moça que foi boneca inflável. Antônio nem ligava e Sofia aos poucos descobriu que ele é um homem gentil e não um egocêntrico que só desejava saber de si.  Aprenderam muitas coisas juntas e até o sexo foi um aprendizado. Andavam em todos os recantos da cidade e curtiam cada momento juntos nos cafés e bares.  Seguiam a risca o refrão da música:
“Pedes-me um momento
Agarras as palavras
Escondes-te no tempo 
Porque o tempo tem asas
Levas a cidade
Solta me o cabelo
Perdes-te comigo
Porque o mundo é o momento”( Pedro Abrunhosa)]

Sofia conseguiu finalmente ser registrada e a ter documentos para poder trabalhar. Antônio sempre ao seu lado, feliz com suas conquistas. Todavia, começaram a entender que se tornavam mais amigos do que um casal. A relação estava morna em demasia. Mesmo tristes, resolveram se separar, para viverem outros amores.
Experimentaram vários amores, paixões, divórcios e tiveram muitos filhos, mas a amizade continuava entre dois. Quando envelheceram, decidiram morar juntos.
Anos mais tarde, familiares os encontraram um ao lado do outro. Antônio já velho e inerte na cama e Sofia, uma boneca inflável vazia. 


Conto ao som:




SEGUIDORES



 

No ônibus, dou uma olhada no face para ver quem deu indireta em quem, quem se divorciou, quem brigou com quem, clicar like, compartilhar frases irreverentes, fotos e vídeos fofos. Além de curtir os postes dos amigos e dar parabéns para gente que nem sei quem é mais, para fazer uma social. Além de deletar e bloquear gente sem noção que adora escrever textão... No reflexo da janela, alguém vê meu face e o que estou fazendo nele.

sexta-feira, 21 de abril de 2017

Expectativas

Imagem encontrada no google


– Anda menino!! Escreva um discurso para homenagear sua irmã, no seu aniversário de quinze anos.


– Eu não consigo. Tento, mas minha mente está vazia de ideias.


– Você não se diz escritor?


– Só consigo escrever sobre o que acontece comigo e ideias que passam pela minha cabeça. Não se lembra que só tiro nota baixa em redação?


– Já vi que não tem jeito... Pode deixar que vou escrever alguma coisa. Vai colocar suas besteiras no blog... como aquele conto seu, sobre uma boneca inflável que se torna numa bruxa e transforma o seu ex-dono em vibrador. Quando você vai criar jeito, menino?


– Um dia... Já postei outra história, quando puder, dá uma olhada. Outra coisa, este conto que você achou ridículo, outro dia recebi um e-mail emocionado de uma mulher, dizendo que graças ao meu conto, ela teve coragem de largar o marido, uma mala sem alça. Agora, ela está vivendo um novo amor.


domingo, 16 de abril de 2017

ENCONTRO



Vi um menino triste. Reconheci-me no seu olhar e fui ao seu encontro, dizendo-lhe que tudo ficará bem. Ele sorriu para mim e virou à esquina.

Ao retornar para casa, lembrei-me de que um homem me disse as mesmas palavras.