quarta-feira, 28 de setembro de 2016

A ONDA



La Vague (A Onda), de Camille Claudel




Vem e destrói tudo que se construiu anos. Sua irracionalidade ancestral assusta. Aparece, de repente, num dia tranquilo em que você passeia devagar a olhar as belezas muitas vezes ocultas pelo cotidiano e ela vem, engolindo-o. Não tem para onde fugir, pois se esparrama violentamente e os destroços viram armas fatais. Depois de tudo terminado, surge a calmaria. Vai embora, aparentemente, na verdade, está adormecida em algum lugar ou até dentro da gente.
Até um dia acordar... Pode demorar eras e anos, porém, sempre desperta. 
Vejam a História para perceber isso.

domingo, 18 de setembro de 2016

REFLEXO( Última revisão, por enquanto)



 


SEGURAVA A PEQUENA MALA COM FORÇA...

 E mesmo que não tivesse muita coisa, Laura sentia orgulho ao carregar as fotos dos pais falecidos, da tia que a criou com muita disciplina para ser tornar uma mulher de bem, os livros de pedagogia e a bíblia. Era professora e havia recebido uma proposta de emprego para ser governanta. 

 Laura teve um breve arrepio, quando chegou à mansão centenária, mas, manteve a postura severa ao se apresentar aos empregados e ao seu futuro aluno, Antônio, um rapaz de quatorze anos.

Laura achou-o estranho, um menino com postura de homem maduro. Os primeiros dias foram tranquilos, Antônio parecia ser muito educado. Entretanto, um dia, ele falou sobre a antiga governanta que havia se suicidado. Contou que havia boatos sobre o desespero por estar grávida. Laura não entendeu, inclusive, a malícia quando ele disse que a moça só vivia na mansão e nunca fora vista com ninguém. 

Depois, Antônio lhe deu um livro com recomendação enfática para que o lesse. Laura só lia livros da área de educação e ao pegar o aquele considerou o título estranho: A VOLTA DO PARAFUSO. Considerou o título estranho e até pesquisou sobre seu significado. 

Os momentos, antes serenos, se tornaram opressores. Laura à medida que lia o livro percebia que aconteciam situações semelhantes. O título do livro começou a ficar claro para ela. A expressão "dar uma volta no parafuso ou em parafusos" refere-se ajustar uma máquina - ou um instrumento de tortura - de modo que ela opere de forma mais rápida ou mais eficaz. Figurativamente, a frase refere-se a fazer algo mais intenso ou doloroso. Realmente, à medida que a narrativa do romance se aprofundava, Laura passava por este processo, principalmente, por se sentir impotente para salvar Antônio de algo que não sabia direito. 

Tinha a impressão de que a história era um espelho. Ela e a governanta do romance eram a mesma pessoa. Antônio tonava-se cada vez mais estranho e sedutor. Tocava Laura de leve e a olhava fixamente. Questionou sobre a mansão ser assombrada, já que quando o sol mudava de posição, a luz e as sombras dos recintos produziam formas melancólicas e sugestivas. Pensou na antiga governanta e em quem a teria engravidado realmente. Perguntou aos antigos empregados que respondiam por meias palavras e se esquivavam apressados. 

 Uma vez, quando estava no banho, sentiu-se observada. Encontrou um discreto buraco na parede. Em outra ocasião, sentiu alguém beijá-la na alta madrugada, mas só viu um vulto na esquina do corredor. Será que aconteceu ou foi fruto da sua imaginação? Às vezes, quando nadava na piscina, sorria-lhe e Laura incomodava-se e se refugiava nos ensinamentos da tia. Devorava o livro e, depois de terminá-lo, concluiu que deveria salvar Antônio, que parecia estar sendo dominado pela historia da antiga governanta. Decidiu confrontá-lo. Antônio riu dela e disse ser tudo fruto da imaginação de uma solteirona que não conhecera nada da vida. Laura foi arrumar suas coisas para ir-se. De repente, sentiu uma presença e viu um vulto de mulher na janela. Quase gritou, mas manteve a calma.

 O taxi que tinha chamado já estava à espera. Dias depois, na casa da tia, viu no noticiário que a mansão pegara fogo inexplicavelmente, matando Antônio que não conseguira fugir. Ficou perplexa e triste por não poder salvar o menino. 

Quando foi ao quarto, encontrou o livro sobre a cama e a foto queimada de Antônio.

terça-feira, 13 de setembro de 2016

O DESTEMIDO


Imagem encontrada no google

Em outros tempos existia um rei benevolente com seu povo e terrível com os inimigos.  Um dia, um invasor entrou no palácio e matou o escriba que registrava os feitos do monarca. Todos ficaram surpresos e questionaram  o motivo, já que todos consideram a alteza um alvo perfeito. O assassino confessou, mas, seu depoimento nunca foi ao público:

- O rei só é um homem, quis terminar com a fonte da lenda. O escriba é que construiu o fabuloso personagem do rei, com sua narrativa atraente e o dom que tinha com as palavras. Ele não só relatava os acontecimentos, pelo contrário, transformava-o em mito.

O matador foi decapitado, enquanto o rei perdeu sua grandeza, pois, nunca encontrou um escriba à altura do morto.  




VULNERÁVEL



A princesa ficava horas à beira da janela da torre mais alta. Ouvia música e conversava com vários amigos de suas redes sociais. O dragão que guardava o castelo devorava os príncipes que tentavam salvá-la.


Entretanto, a fera não conseguia protegê-la dos sapos que faziam perfis falsos de príncipes encantadores pelas redes sociais e os quais brincavam com os sentimentos dela, tornando-a cada vez mais vulnerável.

sexta-feira, 9 de setembro de 2016

ÍCARO




Certo saco plástico voa bem alto, mas, desce e fica preso no arame farpado. Vencido e completamente dilacerado, nem se dá conta de que repetiu um mito muito antigo. Aliás, será que reproduziu ou é o mesmo que se manifesta repetitivamente ao longo das eras?


terça-feira, 6 de setembro de 2016

CONTO-CRÔNICA-BIOGRAFIA




Eduardo, quando deu por si, descobriu que tinha uma ambiguidade complexa em seu ser. Tinha sensibilidade de artista, mas, não possuía talento. Sua vida se resumia a procurar uma forma de expressão. Esta busca foi uma travessia de vários ensaios na escrita, em fazer vídeos e a fotografar.

Atualmente, com o desenvolvimento da tecnologia, surgiram os smartphones com suas ferramentas e aplicativos que ajudavam há melhorar um pouco a foto. Eduardo passava horas a editar seus instantâneos, brincando de ser artista. Sem restrições, colocava um monte filtros de edição de imagem nelas. Não tinha noção nenhuma de equilíbrio das cores.
Com o tempo, fotografar com o celular foi a mais nova e breve obsessão de Eduardo( acumulou breves obsessões ao decorrer das estações, eu que eu diga.).

Porém, esta mania podia ser perigosa, já que havia a possibilidade de o considerarem bisbilhoteiro. Na verdade, Eduardo desejava capturar a beleza escondida no cotidiano. Sua mente se expandia para encontra-la, enquanto a câmera do telefone não acompanhava. Até ficava desaminado de não conseguir descobrir algo interessante.

Um dia, no shopping, viu uma manequim na vitrine e clicou. Depois, recortou para focar o rosto e utilizou o aplicativo que transformava a foto em desenho.

Teve uma crise de identidade, sentiu-se fingidor e não queria mostrar ser o que não era. Começou a construir um manifesto para ele, com a finalidade de se justificar.

Concluiu que era um pseudoartista e sua pseudoarte o ajudava a enxergar o mundo em vivia e a si mesmo.


segunda-feira, 5 de setembro de 2016

MEU LAR



- Oi, desculpa de incomodar esta hora da noite, recorda-se de mim? Estou diferente, né? Preciso de um lugar para descansar, posso ficar por aqui? Juro que vou embora rápido, só necessito repousar um pouco. Pode deixar que não virei uma pessoa má. Lembra-se àquele rapaz megalomaníaco que você conheceu, não existe mais. O que restou fui eu, seu cadáver que vaga na imensidão do mundo. Meu estômago ronca que nem um velho, pode me dar alguma coisa pra comer? Como preciso descansar, deixa-me ficar, por favor. Espera, não te conheço! Mas, esta era a casa! Merda, a pessoa que conhecia não mora mais aqui. Pensei que retornando não estaria mais perdido, entretanto, este não é mais meu lugar, também. Sou um apátrida e ruínas do que fui um dia. Não precisa chamar a polícia, estou indo. Ainda bem que me sobrou foram as recordações, aliás, a memória pode ser meu lar, depois de tantos anos.

domingo, 4 de setembro de 2016

TRAIDOR



Não entendia o porquê sua sombra  lhe dizia isso. Nunca traiu ninguém. Um dia, perguntou por qual motivo era traidor.

Respondeu que sempre foi infiel a si mesmo.


SAYACA SUKINO...


Estava homogeneizada com a multidão no trem, todavia os sentimentos urravam. Descobriu que Yukito(um colega de turma e seu amor platônico) transformava-se na guerreira galáctica Diana, que salvava Tóquio de todos os perigos.

Um dia, viu-o no terraço da escola, seu corpo magro se metamorfosear em uma mulher máscula vestida com pouca roupa.

A revelação aumentou ainda mais atração da jovem pelo amado. Ainda absorta em seus pensamentos, Sayaca Sukino nem poderia imaginar que num outro canto da cidade, Diana/Yukito luta com um monstro pontiagudo e devorador de moças inocentes. Ele lhe atingiu gravemente, com sua gosma branca ácida estelar...

NÃO PERCAM O PRÓXIMO EPISÓDIO DE DIANA, O MENINO-AMAZONA


***
Quero esclarecer que não tirei a foto e nem desenhei, reeditei a imagem para ilustrar um conto antigo meu.

segunda-feira, 29 de agosto de 2016

POR MILÊNIOS

Imagem encontrada no google


Não conseguia se olhar no espelho e a cada século que passava, aumentava sua depressão. Tornou-se um predador terrível que atacava suas vítimas na calada da noite. Porém, andando sozinho, resolveu caminhar pela madrugada cada vez iluminada e viu um monte de pessoas tirando selfies com seus celulares nos bares. Achou esta atitude interessante e resolveu comprar este "aparelho estranho". 

Quando a mercadoria veio, descobriu seus mistérios e começou a se fotografar. Assustou-se a se ver e continuou a tirar selfies. De repente, tornou-se mais humano.

sábado, 27 de agosto de 2016

MONSTRO

Imagem encontrada no google



Mesmo assustando a menina, ela sorri para ele. As feridas que o tornou monstro se dissipam e um menino surge. 

Brincam pelo jardim, felizes.

quinta-feira, 25 de agosto de 2016

DEPOIMENTO



De um tempo pra cá, descobri um mal na minha vida que tenho vergonha de dizer. Fiquei em segredo por muito tempo, com medo dos outros me julgarem. Confesso que me escondia na cama e chorava muito! 
Então, um dia, fui a uma igreja e ela me curou deste flagelo. Agora, revelarei meu segredo! Depois de ser abençoado, faz 24 horas que não tiro SELFIE e como estou feliz! Toda hora eu clicava selfies, até fazendo as necessidades fisiológicas. Sabe, eu não curtia o momento e almejava só registra-lo para depois compartilhar nas redes sociais. Não estava mais a assimilar as coisas, minhas atitudes eram automáticas e quando percebia meu celular estava lotado de selfies, em quanto minha mente, oca. 
Bem, espero ajudar outras pessoas que sofrem desta mesma mazela ao ouvirem meu depoimento. Não se desesperem, pois, o milagre sempre acontece e a compulsão por selfies será substituída por momentos mais introspectivos, que promovem a verdadeira conectividade entre os indivíduos.

#curaselfie

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

EDUARDO ROBERT


Sempre ouviu que um sorriso abria portas para o sucesso. Seguiu à risca este conselho e era agradável com todos para conseguir seus objetivos. Mas, quando anoitecia e estava só, na sua casa, desfazia o sorriso.
Com o rosto sério e relaxado, sentia-se tão leve que chegava a gozar.

Carona





Sempre olhou a nuvem em cima do arame farpado e pedia uma carona para sair dali. Um dia, quando entrou na câmara de gás, foi ao seu encontro e se sentou nela todo sorridente, pois, daria uma volta ao mundo.

terça-feira, 23 de agosto de 2016

FÉRIAS DE MIM

Imagem encontrada no google


Quando não aguentava mais o cotidiano, viajava para fora do corpo e o alugava por temporadas. Mas, nessas idas e vindas me perdi pelo caminho. Quando retornei, percebi que meu locatário casou-se há trinta anos e já era avô.

sábado, 20 de agosto de 2016

SOLTANDO AS FERAS





Quando terminou de dançar, percebeu que só havia morte. As feras retornaram para ela, saciadas. 

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

LADRÃO DE ESTRELAS



Ao beijar, introduz a língua delicadamente no céu da boca da outra pessoa, retirando uma estrela brilhante que somente ele enxergava. 

terça-feira, 16 de agosto de 2016

NÃO TEM CURIOSIDADE?





- João, vamos ser sempre agradáveis, belos e jovens. Assim, ninguém jogará a gente fora.


- Sim, Maria. Mas, não tem curiosidade de sair daqui. Ver os pássaros voarem e o sol queimar nossa pele?

AVESSO




Enquanto sua dona gosta do anonimato, a sombra ama ser celebridade. Manda até mensagem ao paparazzi-sombra para tirar foto dela a caminhar pela rua.


segunda-feira, 15 de agosto de 2016

REPETITIVAMENTE


Imagem encontrada no google

Sempre se sentiu num filme, mas, ninguém acreditava nele. Quando morreu e a escuridão surgiu com os créditos rolando, os outros ficaram perplexos de ele ter sempre falado a verdade. Entretanto, tinham a esperançar de que se esqueceriam desta verdade e retomariam suas vidas quando alguém assistisse ao filme.

Já o protagonista, estava casado de viver repetitivamente a mesma história. Além de não aguentar mais ouvir as trilhas sonoras que o perseguia o tempo inteiro.

FANTASIA CORRENDO SOLTO



Quero tirar foto, mas tenho receio que alguém implique comigo, por achar que estou sendo "paparazzi" de anônimos. Mantenho o vidro fechado e através da sujeira de poeira clico em um móvel artesanal. Depois, de ver a foto, imagino um tempo antigo, onde os dias eram lentos e pareciam intermináveis. Aí, invento uma jovem a se pentear e a se olhar ao espelho à espera de um príncipe, o qual só habitava em seus sonhos. 

ATRAÇÃO FATAL



Uma bolha de sabão ao encontrar um cacto, aproxima-se dele ao ponto de estourar de prazer.


REPENTINAMENTE

Imagem encontrada no  google



Clarice está linda como sempre, mas parece uma morta viva. De repente, atravesso sua cabeça com uma furadeira. Percebo-me num apocalipse zumbi. 

sábado, 13 de agosto de 2016

ROSTO-ABISMO


Imagem encontrada no google

Quem via sua selfie nas redes sociais, caia literalmente de um precipício. Entretanto, mesmo acumulando várias pessoas dentro de si, o homem do rosto-abismo ainda se sentia vazio e solitário. Atravessava alta madrugada a adicionar pessoas em suas redes sociais e a fome aumentava até transcender sua existência.

O QUADRO MAIS VALIOSO DO MUNDO

Imagem encontrada no  google



Num incêndio o colecionador de obras de arte perdeu quase todo o acervo. Mas, não se sentiu tão desesperado, pois, salvou o quadro de sua avó. Apesar de ele não ter valor artístico em relação aos críticos e ao mercado de arte. 

quinta-feira, 11 de agosto de 2016

INTERTEXTO


Imagem encontrada no google


Sonhei com dinossauro e acordei com um político conhecido discursando na tevê sobre ética. Lembrei-me do conto de Monterroso: "Quando acordou, o dinossauro ainda estava lá".


Provisório



Quando dei a descarga, despedi-me do cocô. De repente, senti saudade. Minha avó me pegava no colo para ver as fezes indo embora. Ela se foi anos. Quantas pessoas e merdas se foram da minha vida. Tudo é tão provisório...

terça-feira, 9 de agosto de 2016

ESTOU CANSADO DE SENTIR MEDO



Sinto que vão invadir a casa a qualquer momento, mesmo fechando as janelas e as portas, diferentes sons entram pelas frestas e as vidraças vibram. A cada ano que passa, eles dominam cada vez o espaço e sinto saudade do tempo de criança que não volta: dias longos e serenos. Hoje, tudo é rápido demais. O cachorro rosna, será alguém a caminhar no quintal? Lembro-me que li um conto de um escritor argentino (qual será o nome dele mesmo?), recordo, Júlio Cortázar(Agora, o título do conto?). Deixa procurar no google ... Achei, Casa tomada narra a história de dois irmãos solteiros que vivem numa casa ampla, espaçosa, velha e cheia de lembranças dos seus antepassados. O protagonista é quem narra a história dele e sua irmã, Irene. Meu Deus, como este conto me assombra, principalmente, por experimentar um caso semelhante. Lógico que vivo num contexto completamente diferente, mas, a sensação de meu mundo particular ser tomado por um turbilhão lá fora é angustiante do mesmo jeito. Até, tive um sonho( ou será que foi um miniconto que escrevi há anos?) de ser um passarinho fugido da gaiola e que foi devorado por um gato, entretanto, vi pelos olhos do felino a visão do céu infinito. Talvez, se for embora para uma mata fechada e ter um encontro com uma onça, veja no reflexo de seus olhos meu paraíso, o retorno do tempo perdido. O cão late sem parar, olho pela janela e vejo um gato enorme a olhar fixamente para mim. Ouço passos estranhos pela casa e, de repente, sinto que a casa está parecida da qual quando era criança. Tenho a impressão de escutar meus pais me chamando ao longe.

domingo, 7 de agosto de 2016

ALMA VIAJANTE




Sempre guardara no armário um passaporte, apesar de nunca ter viajado. Dias depois de morrer, quando fui arrumar seus objetos pessoais, o documento estava transbordando de carimbos de todos os lugares do mundo.


Mamãe sempre teve uma alma viajante. 

sábado, 6 de agosto de 2016

“PINTINHO”

Imagem encontrada no google



Mantinha uma relação profunda de amizade com seu pênis e considerava que todas as mulheres eram um objeto para seu desejo sexual. Porém, algumas vezes, sonhava com uma vizinha bem mais velha que cuidava dele, quando era menino. Às vezes, os pais precisavam sair e o deixavam com a caridosa e simpática senhora. Ela tirava a calcinha e exibia a vagina para ele, dizendo que iria devorar seu " pintinho". Acordava assustado e com as mãos protegendo o falo.

MÃE E FILHO (Outra versão de miniconto antigo)



 Havia uma gota maior e outra menor, um do lado da outra na mesa. Um menino observava toda a cena, a mãe veio com um pano e as eliminou. Ele foi brincar em outro lugar, todavia, ficou triste por não poder ajudar mãe e filho. 

quarta-feira, 3 de agosto de 2016

SEU GAROTO


Foto de Jan Saudek - the motherhood

O fazendeiro viu o filho de quinze anos a chupar o seio da ama de leite. Ficou feliz ao descobrir que seu garoto virou homem, apesar do estado em que se encontrava. Na verdade, enxergou o que desejava.
O jovem se aconchegou no colo de sua ama de leite, para esperar a morte que se aproximava. 

O CONQUISTADOR

pintura edward hopper

Depois do desejo selvagem, tinha medo de um simples carinho. Sentia sua pele queimar e a dor era insuportável. Fugia ao amanhecer, buscando outras presas.

terça-feira, 2 de agosto de 2016

ASSOMBROS



Imagem encontrada pelo google


Acordava por causa dos pesadelos e o tio sempre aparecia para acalmá-lo. Passou a infância atemorizado com os monstros dos sonhos e o tio ao seu lado lhe amparando. Anos depois, o senhor revelou ao sobrinho que os bichos-papões o perseguiam e quando corria para cama do menino, iam embora. 

SENTIMENTO ESCONDIDO


Imagem encontrada no google


Enquanto muitos diziam jocosamente, “fulano virou purpurina”, ele ocultava a emoção de imaginar o pó colorido subindo ao céu.

segunda-feira, 1 de agosto de 2016

HERÓI DECAÍDO



Imagem encontrada no google


Um dia, um bandido entrou na casa e apontou uma arma para o pai que em choque urinou nas calças. Depois do assalto o filho foi abraçá-lo, amava-o de verdade.


Não era somente admiração.

domingo, 31 de julho de 2016

DIAGNÓSTICO






Imagem encontrada no google




- Eduardo, seus textos estão anêmicos. Receitarei vitaminas de poemas para você.

PERCEBEU-SE( Conto antigo para quem ainda não leu)

Imagem encontrada no google


A garota com sua cadela caminhavam no campo. Tudo estava tedioso e silencioso. Ao se aproximarem de uma ribanceira encontraram um cadáver de um rapaz. Olhou fixamente, depois correu com a cadela para casa.

 Sentiu que um mundo novo e assustador se abria para ela. “ Como pude fazer isso?”.  Horas antes, brincava com o primo mais velho e no auge da brincadeira, empurrou-o e ele caiu de uma ribanceira, quebrando a cabeça numa rocha. Ela ficou sem ação e voltou para casa. Tomou um banho e foi almoçar. A tia perguntou por seu filho e ela disse que o primo estava no campo. De tarde, a garota foi passear com a cadela.

Trancou-se no quarto e se olhou no espelho. “ Não foi sonho...”, pensou.

Percebeu-se assassina. Mas, para a cadela, continuava ser sua dona e amiga.

- Mamãe, por que aperta minha mão tão forte?


NO ESPELHO( contito antigo)



Vejo outra pessoa a dizer coisas sem sentido e, através do olhar, decidimos atravessar juntos a imensidão incoerente.

sábado, 30 de julho de 2016

TRIUFANTE



Imagens encontrada no google





Era orgulhoso e fazia de tudo para não mostrar que estava falido. Um dia, em uma lanchonete, certa senhora reconheceu o olhar daquele homem bem arrumado. Era o mesmo do que o dela, no passado, ao ver nas vidraças dos restaurantes os outros.  Comprou um lanche e lhe entregou sem dizer nada. Ele não a agradeceu, saiu depressa  e o devorou em segundos.


Agora, com o estômago um pouco cheio, podia pensar como sairia triunfante dessa situação.

MUITO AMOR ENVOLVIDO


quinta-feira, 28 de julho de 2016

FILHOTE DA NOITE( miniconto antigo)

















Esfomeado, experimenta orifícios e fendas com a língua. Quanto mais prova, a fome de prazer aumenta. Quando amanhece, adormece profundamente. Suas experiências, ao longo da noite, tornam-se quimeras que o envolvem num casulo.


segunda-feira, 25 de julho de 2016

Na cadeira de rodas...

Imagem encontrada no google





Vê a amada dançar com outros homens. Observa seu rosto transbordando de felicidade e se sente satisfeito. Depois de bailar a exaustão, ela retorna aos seus braços.

SIMBIOSE


Imagem encontrada no  google



No vaso sanitário, esquecia-se do que estava fazendo e digitava empolgado. Quem observasse a cena, teria a sensação que ele e o celular tornavam-se um só. Quando o telefone caiu no vaso, teve enfarto fulminante. 

MONSTRO



Incubo



Quando era muito criança via um monstro em cima de sua mãe e ela gemia bastante. Parecia que sentia muita dor. Ele ficava apavorado, mas voltava para o quarto rezando para o  pai voltasse logo do trabalho. Ao amanhecer, corria para ver a mãe e se aliviava de ver os pais dormindo abraçados na cama. Subia e ficava entre eles.
Alguns anos depois, já adolescente, transou pela primeira vez com a namorada e, no auge do gozo, compreendeu que o monstro que afligia a mãe era o o pai, na verdade.


domingo, 24 de julho de 2016

MAIS UM CASO DE BALA PERDIDA

A suposta cabeça da modelo do quadro  “A Origem do Mundo” de Courbet



A vidraça da janela é estilhaçada e a bala atinge a jovem que está no quadro. Seu amante fica transtornado ao ver sua amada agonizando.

 No dia seguinte os jornais dão a seguinte notícia:

 “ Homem desesperado corre por todos os hospitais com um quadro atingido por projétil de arma de fogo, alegando que a mulher da pintura está correndo risco de morte.”.

sexta-feira, 22 de julho de 2016

Imaginava-se...



Imagem encontrada no  google

Ser um assassino implacável. Mas, quando viu o vizinho esfaqueado, percebeu que lhe bastava matar pessoas inventadas.