terça-feira, 23 de agosto de 2016

FÉRIAS DE MIM

Imagem encontrada no google


Quando não aguentava mais o cotidiano, viajava para fora do corpo e o alugava por temporadas. Mas, nessas idas e vindas me perdi pelo caminho. Quando retornei, percebi que meu locatário casou-se há trinta anos e já era avô.

sábado, 20 de agosto de 2016

SOLTANDO AS FERAS





Quando terminou de dançar, percebeu que só havia morte. As feras retornaram para ela, saciadas. 

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

LADRÃO DE ESTRELAS



Ao beijar, introduz a língua delicadamente no céu da boca da outra pessoa, retirando uma estrela brilhante que somente ele enxergava. 

terça-feira, 16 de agosto de 2016

NÃO TEM CURIOSIDADE?





- João, vamos ser sempre agradáveis, belos e jovens. Assim, ninguém jogará a gente fora.


- Sim, Maria. Mas, não tem curiosidade de sair daqui. Ver os pássaros voarem e o sol queimar nossa pele?

AVESSO




Enquanto sua dona gosta do anonimato, a sombra ama ser celebridade. Manda até mensagem ao paparazzi-sombra para tirar foto dela a caminhar pela rua.


segunda-feira, 15 de agosto de 2016

REPETITIVAMENTE


Imagem encontrada no google

Sempre se sentiu num filme, mas, ninguém acreditava nele. Quando morreu e a escuridão surgiu com os créditos rolando, os outros ficaram perplexos de ele ter sempre falado a verdade. Entretanto, tinham a esperançar de que se esqueceriam desta verdade e retomariam suas vidas quando alguém assistisse ao filme.

Já o protagonista, estava casado de viver repetitivamente a mesma história. Além de não aguentar mais ouvir as trilhas sonoras que o perseguia o tempo inteiro.

FANTASIA CORRENDO SOLTO



Quero tirar foto, mas tenho receio que alguém implique comigo, por achar que estou sendo "paparazzi" de anônimos. Mantenho o vidro fechado e através da sujeira de poeira clico em um móvel artesanal. Depois, de ver a foto, imagino um tempo antigo, onde os dias eram lentos e pareciam intermináveis. Aí, invento uma jovem a se pentear e a se olhar ao espelho à espera de um príncipe, o qual só habitava em seus sonhos. 

ATRAÇÃO FATAL



Uma bolha de sabão ao encontrar um cacto, aproxima-se dele ao ponto de estourar de prazer.


REPENTINAMENTE

Imagem encontrada no  google



Clarice está linda como sempre, mas parece uma morta viva. De repente, atravesso sua cabeça com uma furadeira. Percebo-me num apocalipse zumbi. 

sábado, 13 de agosto de 2016

ROSTO-ABISMO


Imagem encontrada no google

Quem via sua selfie nas redes sociais, caia literalmente de um precipício. Entretanto, mesmo acumulando várias pessoas dentro de si, o homem do rosto-abismo ainda se sentia vazio e solitário. Atravessava alta madrugada a adicionar pessoas em suas redes sociais e a fome aumentava até transcender sua existência.

O QUADRO MAIS VALIOSO DO MUNDO

Imagem encontrada no  google



Num incêndio o colecionador de obras de arte perdeu quase todo o acervo. Mas, não se sentiu tão desesperado, pois, salvou o quadro de sua avó. Apesar de ele não ter valor artístico em relação aos críticos e ao mercado de arte. 

quinta-feira, 11 de agosto de 2016

INTERTEXTO


Imagem encontrada no google


Sonhei com dinossauro e acordei com um político conhecido discursando na tevê sobre ética. Lembrei-me do conto de Monterroso: "Quando acordou, o dinossauro ainda estava lá".


Provisório



Quando dei a descarga, despedi-me do cocô. De repente, senti saudade. Minha avó me pegava no colo para ver as fezes indo embora. Ela se foi anos. Quantas pessoas e merdas se foram da minha vida. Tudo é tão provisório...

terça-feira, 9 de agosto de 2016

ESTOU CANSADO DE SENTIR MEDO



Sinto que vão invadir a casa a qualquer momento, mesmo fechando as janelas e as portas, diferentes sons entram pelas frestas e as vidraças vibram. A cada ano que passa, eles dominam cada vez o espaço e sinto saudade do tempo de criança que não volta: dias longos e serenos. Hoje, tudo é rápido demais. O cachorro rosna, será alguém a caminhar no quintal? Lembro-me que li um conto de um escritor argentino (qual será o nome dele mesmo?), recordo, Júlio Cortázar(Agora, o título do conto?). Deixa procurar no google ... Achei, Casa tomada narra a história de dois irmãos solteiros que vivem numa casa ampla, espaçosa, velha e cheia de lembranças dos seus antepassados. O protagonista é quem narra a história dele e sua irmã, Irene. Meu Deus, como este conto me assombra, principalmente, por experimentar um caso semelhante. Lógico que vivo num contexto completamente diferente, mas, a sensação de meu mundo particular ser tomado por um turbilhão lá fora é angustiante do mesmo jeito. Até, tive um sonho( ou será que foi um miniconto que escrevi há anos?) de ser um passarinho fugido da gaiola e que foi devorado por um gato, entretanto, vi pelos olhos do felino a visão do céu infinito. Talvez, se for embora para uma mata fechada e ter um encontro com uma onça, veja no reflexo de seus olhos meu paraíso, o retorno do tempo perdido. O cão late sem parar, olho pela janela e vejo um gato enorme a olhar fixamente para mim. Ouço passos estranhos pela casa e, de repente, sinto que a casa está parecida da qual quando era criança. Tenho a impressão de escutar meus pais me chamando ao longe.

domingo, 7 de agosto de 2016

ALMA VIAJANTE




Sempre guardara no armário um passaporte, apesar de nunca ter viajado. Dias depois de morrer, quando fui arrumar seus objetos pessoais, o documento estava transbordando de carimbos de todos os lugares do mundo.


Mamãe sempre teve uma alma viajante. 

sábado, 6 de agosto de 2016

“PINTINHO”

Imagem encontrada no google



Mantinha uma relação profunda de amizade com seu pênis e considerava que todas as mulheres eram um objeto para seu desejo sexual. Porém, algumas vezes, sonhava com uma vizinha bem mais velha que cuidava dele, quando era menino. Às vezes, os pais precisavam sair e o deixavam com a caridosa e simpática senhora. Ela tirava a calcinha e exibia a vagina para ele, dizendo que iria devorar seu " pintinho". Acordava assustado e com as mãos protegendo o falo.

MÃE E FILHO (Outra versão de miniconto antigo)



 Havia uma gota maior e outra menor, um do lado da outra na mesa. Um menino observava toda a cena, a mãe veio com um pano e as eliminou. Ele foi brincar em outro lugar, todavia, ficou triste por não poder ajudar mãe e filho. 

quarta-feira, 3 de agosto de 2016

SEU GAROTO


Foto de Jan Saudek - the motherhood

O fazendeiro viu o filho de quinze anos a chupar o seio da ama de leite. Ficou feliz ao descobrir que seu garoto virou homem, apesar do estado em que se encontrava. Na verdade, enxergou o que desejava.
O jovem se aconchegou no colo de sua ama de leite, para esperar a morte que se aproximava. 

O CONQUISTADOR

pintura edward hopper

Depois do desejo selvagem, tinha medo de um simples carinho. Sentia sua pele queimar e a dor era insuportável. Fugia ao amanhecer, buscando outras presas.

terça-feira, 2 de agosto de 2016

ASSOMBROS



Imagem encontrada pelo google


Acordava por causa dos pesadelos e o tio sempre aparecia para acalmá-lo. Passou a infância atemorizado com os monstros dos sonhos e o tio ao seu lado lhe amparando. Anos depois, o senhor revelou ao sobrinho que os bichos-papões o perseguiam e quando corria para cama do menino, iam embora. 

SENTIMENTO ESCONDIDO


Imagem encontrada no google


Enquanto muitos diziam jocosamente, “fulano virou purpurina”, ele ocultava a emoção de imaginar o pó colorido subindo ao céu.

segunda-feira, 1 de agosto de 2016

HERÓI DECAÍDO



Imagem encontrada no google


Um dia, um bandido entrou na casa e apontou uma arma para o pai que em choque urinou nas calças. Depois do assalto o filho foi abraçá-lo, amava-o de verdade.


Não era somente admiração.

domingo, 31 de julho de 2016

DIAGNÓSTICO






Imagem encontrada no google




- Eduardo, seus textos estão anêmicos. Receitarei vitaminas de poemas para você.

PERCEBEU-SE( Conto antigo para quem ainda não leu)

Imagem encontrada no google


A garota com sua cadela caminhavam no campo. Tudo estava tedioso e silencioso. Ao se aproximarem de uma ribanceira encontraram um cadáver de um rapaz. Olhou fixamente, depois correu com a cadela para casa.

 Sentiu que um mundo novo e assustador se abria para ela. “ Como pude fazer isso?”.  Horas antes, brincava com o primo mais velho e no auge da brincadeira, empurrou-o e ele caiu de uma ribanceira, quebrando a cabeça numa rocha. Ela ficou sem ação e voltou para casa. Tomou um banho e foi almoçar. A tia perguntou por seu filho e ela disse que o primo estava no campo. De tarde, a garota foi passear com a cadela.

Trancou-se no quarto e se olhou no espelho. “ Não foi sonho...”, pensou.

Percebeu-se assassina. Mas, para a cadela, continuava ser sua dona e amiga.

- Mamãe, por que aperta minha mão tão forte?


NO ESPELHO( contito antigo)



Vejo outra pessoa a dizer coisas sem sentido e, através do olhar, decidimos atravessar juntos a imensidão incoerente.

sábado, 30 de julho de 2016

TRIUFANTE



Imagens encontrada no google





Era orgulhoso e fazia de tudo para não mostrar que estava falido. Um dia, em uma lanchonete, certa senhora reconheceu o olhar daquele homem bem arrumado. Era o mesmo do que o dela, no passado, ao ver nas vidraças dos restaurantes os outros.  Comprou um lanche e lhe entregou sem dizer nada. Ele não a agradeceu, saiu depressa  e o devorou em segundos.


Agora, com o estômago um pouco cheio, podia pensar como sairia triunfante dessa situação.

MUITO AMOR ENVOLVIDO


quinta-feira, 28 de julho de 2016

FILHOTE DA NOITE( miniconto antigo)

















Esfomeado, experimenta orifícios e fendas com a língua. Quanto mais prova, a fome de prazer aumenta. Quando amanhece, adormece profundamente. Suas experiências, ao longo da noite, tornam-se quimeras que o envolvem num casulo.


segunda-feira, 25 de julho de 2016

Na cadeira de rodas...

Imagem encontrada no google





Vê a amada dançar com outros homens. Observa seu rosto transbordando de felicidade e se sente satisfeito. Depois de bailar a exaustão, ela retorna aos seus braços.

SIMBIOSE


Imagem encontrada no  google



No vaso sanitário, esquecia-se do que estava fazendo e digitava empolgado. Quem observasse a cena, teria a sensação que ele e o celular tornavam-se um só. Quando o telefone caiu no vaso, teve enfarto fulminante. 

MONSTRO



Incubo



Quando era muito criança via um monstro em cima de sua mãe e ela gemia bastante. Parecia que sentia muita dor. Ele ficava apavorado, mas voltava para o quarto rezando para o  pai voltasse logo do trabalho. Ao amanhecer, corria para ver a mãe e se aliviava de ver os pais dormindo abraçados na cama. Subia e ficava entre eles.
Alguns anos depois, já adolescente, transou pela primeira vez com a namorada e, no auge do gozo, compreendeu que o monstro que afligia a mãe era o o pai, na verdade.


domingo, 24 de julho de 2016

MAIS UM CASO DE BALA PERDIDA

A suposta cabeça da modelo do quadro  “A Origem do Mundo” de Courbet



A vidraça da janela é estilhaçada e a bala atinge a jovem que está no quadro. Seu amante fica transtornado ao ver sua amada agonizando.

 No dia seguinte os jornais dão a seguinte notícia:

 “ Homem desesperado corre por todos os hospitais com um quadro atingido por projétil de arma de fogo, alegando que a mulher da pintura está correndo risco de morte.”.

sexta-feira, 22 de julho de 2016

Imaginava-se...



Imagem encontrada no  google

Ser um assassino implacável. Mas, quando viu o vizinho esfaqueado, percebeu que lhe bastava matar pessoas inventadas.


quinta-feira, 21 de julho de 2016

EMOÇÃO DESNUDA



Mesmo que a bailarina esteja embaçada por causa de sua memória em degeneração, ainda consegue se emocionar com seu bailar. Perguntam por qual motivo chora, mas não consegue vestir a emoção com as palavras para explicar.


quarta-feira, 20 de julho de 2016

PILANTRA


Imagem encontrada no google


Em uma tarde agradável, quando viu certa jovem no café e percebeu que era a vítima perfeita. Inventou um sotaque italiano e perguntou sobre a vida dela. A moça revelou que era viúva há pouco tempo e sentia falta do marido. O homem começou a seduzi-la, dizendo ser um fotógrafo italiano e que pertencia a uma família tradicional por lá. Ela se deixou levar aos encantos daquele desconhecido.

O "fotógrafo" elogiou seu colar de pérolas. A jovem viúva comentou que foi um presente valioso do pai fazendeiro. O " italiano" sorriu. Depois de muita conversa, convidou-a para ir ao motel. Tiveram momentos de prazer até o anoitecer e se despediram, sem passar números de telefone.

Sozinha a "jovem viúva" passou a mão pelo pescoço e o colar de pérolas não estava mais lá. Deu uma gargalhada, ao imaginar a decepção do " italiano fotógrafo", quando descobrir que roubara a joia falsa.

***

Depois de publicar o conto, percebi que já escrevi outro bem parecido. Armadilhas da memória...

O lobo e o cordeiro e o cordeiro e o lobo http://dudv-descarrego.blogspot.com.br/2016/06/o-lobo-e-o-cordeiro-o-cordeiro-e-o-lobo.html

segunda-feira, 18 de julho de 2016

HELENA A GORDA

Fernando Botero



Era assim que o marido a chamava e dizia para os vizinhos que ela era horrenda de gorda. Helena aturava porque já estava acostumada desde a infância a todos zombarem dela por causa de seu peso.


Um dia, ele a abandonou e Helena ficou surpreendida de não ficar triste. Decidiu que cuidaria sozinha dos filhos e uma força surgiu dentro dela. Olhou-se no espelho e, pela primeira vez, e disse que era bela. Começou a caminhar, a diminuir a quantidade de comida e a procurar um emprego.


À medida que aprendia a se amar, os homens começaram a enxerga-la. Mas, ela não nem ligava por estar ainda encantada consigo mesma. Era vaidosa não pelos outros e sim por ela mesma. Ao emagrecer descobria curvas em seu corpo nunca antes vistos, inclusive, quando começou a comprar blusas estampadas. Todavia, almejava ser natural e não ter um corpo esculpido de academia. Ser abundante pertencia a sua individualidade.


Na alta madrugada, acostumava -se a passar cremes pelo corpo, exibia-se para o espelho e se divertia como se fosse menina. Estava no casulo, preparando-se para um novo começo.



sábado, 16 de julho de 2016

CAMINHAVA CAMINHAVA CAMINHAVA


  
O menino impaciente foi à padaria para mãe.

Na volta os raios de sol começaram a incomodar sua vista, o calor confundia as ideias. Percebeu que as casas da rua que sempre conhecera tinham sido substituídas por prédios imponentes. As pessoas se vestiam de modo diferente, modelos estranhos de carros e ônibus circulavam na rua com uma velocidade que ele nunca vira antes. Angustiado, caminhava... caminhava... caminhava e a trajetória de voltar para casa se alongava cada vez mais. Gritou, xingou e se resignou. Continuou a jornada com força de vontade e, segurava a sacola que continha os pães já murchos, conseguiu chegar a sua casa. Tentou abrir o portão, estava fechado, apertou a campainha e uma senhora de bastante idade que lembrava uma pessoa muito próxima apareceu.


ELE E EU( conto antigo)


Saiu de casa. Deixou um bilhete. Tinha algumas economias, havia trabalhado na quitanda do seu pai. Foi para a rodoviária e pegou qualquer ônibus que o levasse para longe.

“Estou cansado. Voltei para casa. A mãe me recebeu com muitos beijos. Vinte anos foi muito papo em um dia só. O pai não quis falar comigo, está magoado. Pedi para trabalhar outra vez na quitanda. Fez cara feia, mas deixou. Aparentemente é um homem rude, porém quando soube que cheguei, comprou um monte de carne, sabe que adoro churrasco. “


Fez de tudo. Foi peão, pedreiro e garimpeiro. Passou momentos intensos.Uma vez, teve um caso com uma mulher casada e o marido o feriu com o facão nas costas. Foi à primeira cicatriz entre tantas. Machucou-se quando tentou montar um cavalo bravo e levou um tiro no garimpo, quando um colega, viu-o encontrar uma valiosa pepita de ouro.


“Estou ajudando muito  meu pai. Vou aos fornecedores para abastecer a quitanda. O velho já pode dormir de tarde. Tomo conta de tudo. Um dia, encontrei Rosa,  está tão bonita.  Fingiu que não me viu.”


Estava deitado na cama e ao lado uma mulher roncava. Não conseguiu amar ninguém. Sempre pensava em Rosa. Era muito tímida e criada pela avó rigorosa. Trocavam olhares, um colega percebeu e contou para os outros rapazes. Todos ficaram zombando dele. Mentiu, disse que não se interessava por ela. Os amigos fizeram uma aposta.  Aceitou. Rosa no início tentou resistir, mas não conseguiu esconder os sentimentos. Quando transaram na mata, os outros presenciaram tudo. Quando Rosa descobriu, fugiu para casa de uma tia.


“Tentei conversar com Rosa, que foge sempre. É viúva e têm dois filhos. Sempre a encontro indo à igreja.  Uma vez, um dos seus filhos caiu de bicicleta perto da quitanda e machucou o joelho, fui levá-lo ao posto médico. Ela estava no trabalho, era professora. Quando me viu com o seu filho, agradeceu-me. Disse que se eu precisasse de alguma coisa, era só pedir. Respondi-lhe: “ Se você puder me perdoar algum dia...”.”


Sozinho, olhou para o espelho. Não se reconheceu.


“Fiz até serenata... Ela viu que estava diferente. Começamos a namorar. Tempos depois casamos.”


Morreu. Retornou para casa.


“Nasci de novo. Continuei a trabalhar com o pai. Rosa espera um filho meu e me dou muito bem com os seus filhos. No domingo, a minha mãe prepara um delicioso almoço para todos. “



– Quem é este rapaz na sua carteira?

Marlon Brando 




– Não percebe que esta foto é antiga?

– É alguém do passado?

– Está brincando? É você quando jovem.


terça-feira, 12 de julho de 2016

CAMADAS

Imagem encontrada no google


Quando criança, Cláudio adorava ir à casa dos avós. Podia brincar à vontade na chácara. Era um paraíso para ele e os primos.

Numa noite, quando foram dormir, a avó saiu para dar uma volta. Sempre sentia calores e precisava caminhar pela noite fresca. Cláudio estava sem sono e, quando foi à varanda, flagrou a avó beijando ardentemente o caseiro mais jovem. Cláudio ficou horrorizado, sempre achou sua vó parecida com a imagem imaculada da dona Benta do Sitio do Pica-Pau Amarelo. Retornou a cama, chorando. Nunca mais quis voltar à chácara.


Alguns depois, retornou para ver o avô doente e deprimido pela morte de sua esposa. Foram dias agradáveis.  O avô lhe perguntou por que nunca mais quis ir ao sítio. O jovem revelou o caso da avó e se surpreendeu de o velho não esboçar nenhum sentimento.


Só disse que o desejo para ele tinha passado, mas, não para ela e que isto era insignificante em relação ao fato de estarem juntos na alegria, na tristeza, na saúde e na doença por quase toda a vida juntos. O avô sabia que ela o amava verdadeiramente.

Ainda disse a Cláudio que era muito jovem para compreender as ambiguidades do ser humano. Todo mondo possui camadas que se revelavam com o passar das estações.

Cláudio só entenderia o diálogo com o avô, anos depois.  


DIA ENSOLARADO...( conto tosco e antigo, mas tentei tirar alguns exageros.)




- Mãe é só a gente?
- Sim.
- E o pai e a mana?
- Estão em casa. Vou levá-lo para a casa de campo.
- Legal!!! Mas, você não está brava comigo?
- Não. Você fez alguma coisa de errado?
-Não. A viagem dura quanto tempo mesmo?
- 2 horas.
 Sofia  viu o filho dormir ao seu lado. Era um olhar de ternura. Estava cansada, não gostava de dirigir e principalmente para lugares distantes. Não queria parar, desejava chegar logo.  Chegaram ao entardecer. Ela preparou um lanche bem caprichado para o filho. Ele estava radiante por estar só com a mãe.
- Mãe, amanhã vou tomar banho de piscina, andar de bicicleta e andar pela mata.
– Vou fazer tudo isso com você.
Quando o garoto dormiu. A mãe ligou para a casa:
– Oi amor,  como está Aline?
- Tá com febre e muito agitada. E aí...
- Tudo certo.
- Espero que tudo corra bem...
- Conversamos depois... deseja-me sorte.
- André tá dormindo? Queria falar com o meu filho...
- Melhor não Rodrigo, deixa tudo como está.

Foi uma semana maravilhosa para André. Só fez o que queria. A mãe colocou nenhum limite. Ele tinha doze anos. Sofia quando lhe via nadando e correndo pela mata, ficava admirada. Percebia como o seu filho crescia, porém  ao se lembrar do motivo de estar ali,  sentia-se triste.
–  Mãe, que olhar triste é esse?
- Nada filho.
- Hoje é domingo, que horas a gente vai embora.
- Ficaremos até segunda.
- E a escola?
- Não esquenta. Um dia sem ir...
- Tá bom.
Noite. André tomava banho. Sofia ligou para casa.
- Me deseja sorte. A Aline tá bem?
- Continua muito doentinha... parece ser emocional.
- Cuida dela. Tudo vai ficar bem.
Ela foi à cozinha. Colocou um sonífero no refrigerante do filho, começou a chorar, mas, não desistiu do que faria. “ É para o bem de todos”. André saiu do banheiro e foi para a mesa. Alguns minutos, sentiu muito sono e a mãe o ajudou ir para cama. Sofia pegou o travesseiro e o sufocou. Depois, abraçou o cadáver do filho.

André era um menino cruel. Torturava e depois matava vários animais de estimação que a família pegava para criar. Espancava os colegas da escola e da rua. Manipulava todos com sua inteligência doentia. Os pais procuraram os melhores psicólogos e psiquiatras, contudo, nenhum tratamento dava jeito na sua essência má. 

O estopim foi tentar matar a irmã mais nova, sorrindo como um anjo.



MÃO


Imagem encontrada no google


Os encontros eram sempre às terças-feiras, dia que a mãe ia ao plantão. Alisava suas pernas sob as cobertas. Desejo. Culpa. Queimou o desenho da mão que havia feito antes da morte do pai que, inexplicavelmente, caíra da varanda.