quarta-feira, 22 de setembro de 2010



FOME

Devorava livros, filmes, peças de teatro, teorias de diferentes filósofos e as novidades que aconteciam na cidade. Quanto mais se alimentava, mais fome simbólica sentia. Preferia a vida interpretada à vida vivida. Às vezes, pensava que ser um animal irracional era muito triste, pois não tinham a consciência de si e nem cultura.
Postar um comentário