sexta-feira, 29 de outubro de 2010


TODAS AS MANHÃS...
saía do quarto coberto por uma placenta e em prantos. Ao sair, a claridade doía os olhos, mas, ia se acostumando.
Postar um comentário