domingo, 17 de outubro de 2010



OBJETO DE DESEJO

Não se sentia como um corpo, mas como uma penumbra. Um dia, andando pela cidade, percebeu que alguém repousou o olhar sobre ele. Foi um olhar tão cálido, que sentiu seu rosto esquentar. Caminhou ao encontro da pessoa, mas a massa de transeuntes o impediu. Ela desapareceu e ele virou penumbra novamente.



Postar um comentário