quinta-feira, 20 de agosto de 2009



TUDO FICARÁ BEM”

Repetia exaustivamente para o amigo inerte ao lado. Entrou num profundo processo de automação. Não mais ouvia o que dizia e nem sentia mais pronunciar palavras, as quais foram tornando-se ocas por não terem mais significados para ninguém e nem para si.
Postar um comentário