domingo, 5 de fevereiro de 2012

conto antigo 2005


imagem encontrada no google


OLHAR

Os olhos cor de mel percorrem a cidade antiga. O marido participava de uma conferência na Universidade próxima.

Ela estava no pequeno café, escrevia no minúsculo bloco de papel, fragmentos de sensações, imagens e ideias. " Ernesto convidou-me para a conferência. Não quis ir. Prefiro passear e procurar inspiração. Gosto de viajar; fico aberta às novas experiências. G., meu amigo querido, enviou-me um e-mail para saber as novidades. Ele adora quando viajo. Diz que faço livros “maravilhosos” e que sou uma grande escritora. Ora, só observo o mundo."

Olhava um jovem casal com a filhinha. Ela estava sobre os ombros do pai. A mãe ao lado segurava a mão do marido. A garota possuía olhos atrevidos. " Os pais representam para a filha que são felizes. Desde criança aprende-se a dissimular. Mas, apesar de amá-los, ela não almeja ser como eles. Quer viver cores fortes e não a vida apagada dos pais. No seu inconsciente vai registrando tudo, até possuir a capacidade de estruturar o pensamento."

Começou a prestar atenção numa estátua que ficava no meio da praça. Um homem parece olhá-lo com amor e cólera. “ Tempos idos, uma camponesa muito bonita despertou interesse do príncipe. Só que ela não aceitou o seu amor. Ferido procurou uma bruxa, que lançou um feitiço: transformou a rapariga em estatua. O príncipe, não satisfeito, pediu para feiticeira um antídoto; deseja viver eternamente para contemplar a sua amada.”

Grupo de turistas com roupas coloridas. Viam as vitrines das lojas. "Não entendem nada de arte. Aposto que há pilantras a seguir os passos dessa gente coitada e ignorante, prontos para darem o bote. A arquitetura do lugar é tão divina e esse povo estraga a estética da cidade."

Reparou a moça perdida e triste, que olhava as pessoas comendo. "... esperança a levou viajar para lugares desconhecidos. Deverá ter muito cuidado para não ser tragada por essa terra estrangeira.".

Homem bem vestido à sua frente. Olhava para ela com seus olhos verdes. "Vou embora.".
****

21/ 05

Meu marido me chama de bruxa. Diz que quando falo, acontece. Às vezes, sinto que tem medo de mim.

12/06
Sempre que vou dormir, escuto uma cantiga em dialeto estranho. Vejo-me dançando ao redor da fogueira. Não estou só, há outras mulheres. De repente, o homem dos olhos verdes do café aparece. É um guerreiro. Saio correndo, mas não o temo.

14/06
Ernesto voltou. Apreensiva, digo para irmos embora. Concordou, respeita meus pressentimentos.

17/06
Talvez, o homem dos olhos verdes, sempre tenha me seguido nas diversas épocas em que vivi. Quem sabe um dia esteja pronta para ele. Enquanto isso... Vivo plenamente.

20/07
Tempos imemoriais; sensuais Deuses ora como nós ora como bestas. Cruéis e Bondosos, dependendo de seus desejos.
Atmosfera densa; sabores vivos, aromas que nos levam a sentir diversas sensações; lembranças que sempre aparecem através de sonhos.
Quem sabe, um dia, consigo colocá-los no papel e fazer um bom livro.
G. irá adorar.

Postar um comentário