sábado, 16 de julho de 2016

ELE E EU( conto antigo)


Saiu de casa. Deixou um bilhete. Tinha algumas economias, havia trabalhado na quitanda do seu pai. Foi para a rodoviária e pegou qualquer ônibus que o levasse para longe.

“Estou cansado. Voltei para casa. A mãe me recebeu com muitos beijos. Vinte anos foi muito papo em um dia só. O pai não quis falar comigo, está magoado. Pedi para trabalhar outra vez na quitanda. Fez cara feia, mas deixou. Aparentemente é um homem rude, porém quando soube que cheguei, comprou um monte de carne, sabe que adoro churrasco. “


Fez de tudo. Foi peão, pedreiro e garimpeiro. Passou momentos intensos.Uma vez, teve um caso com uma mulher casada e o marido o feriu com o facão nas costas. Foi à primeira cicatriz entre tantas. Machucou-se quando tentou montar um cavalo bravo e levou um tiro no garimpo, quando um colega, viu-o encontrar uma valiosa pepita de ouro.


“Estou ajudando muito  meu pai. Vou aos fornecedores para abastecer a quitanda. O velho já pode dormir de tarde. Tomo conta de tudo. Um dia, encontrei Rosa,  está tão bonita.  Fingiu que não me viu.”


Estava deitado na cama e ao lado uma mulher roncava. Não conseguiu amar ninguém. Sempre pensava em Rosa. Era muito tímida e criada pela avó rigorosa. Trocavam olhares, um colega percebeu e contou para os outros rapazes. Todos ficaram zombando dele. Mentiu, disse que não se interessava por ela. Os amigos fizeram uma aposta.  Aceitou. Rosa no início tentou resistir, mas não conseguiu esconder os sentimentos. Quando transaram na mata, os outros presenciaram tudo. Quando Rosa descobriu, fugiu para casa de uma tia.


“Tentei conversar com Rosa, que foge sempre. É viúva e têm dois filhos. Sempre a encontro indo à igreja.  Uma vez, um dos seus filhos caiu de bicicleta perto da quitanda e machucou o joelho, fui levá-lo ao posto médico. Ela estava no trabalho, era professora. Quando me viu com o seu filho, agradeceu-me. Disse que se eu precisasse de alguma coisa, era só pedir. Respondi-lhe: “ Se você puder me perdoar algum dia...”.”


Sozinho, olhou para o espelho. Não se reconheceu.


“Fiz até serenata... Ela viu que estava diferente. Começamos a namorar. Tempos depois casamos.”


Morreu. Retornou para casa.


“Nasci de novo. Continuei a trabalhar com o pai. Rosa espera um filho meu e me dou muito bem com os seus filhos. No domingo, a minha mãe prepara um delicioso almoço para todos. “



Postar um comentário