sábado, 16 de julho de 2016

CAMINHAVA CAMINHAVA CAMINHAVA


  
O menino impaciente foi à padaria para mãe.

Na volta os raios de sol começaram a incomodar sua vista, o calor confundia as ideias. Percebeu que as casas da rua que sempre conhecera tinham sido substituídas por prédios imponentes. As pessoas se vestiam de modo diferente, modelos estranhos de carros e ônibus circulavam na rua com uma velocidade que ele nunca vira antes. Angustiado, caminhava... caminhava... caminhava e a trajetória de voltar para casa se alongava cada vez mais. Gritou, xingou e se resignou. Continuou a jornada com força de vontade e, segurava a sacola que continha os pães já murchos, conseguiu chegar a sua casa. Tentou abrir o portão, estava fechado, apertou a campainha e uma senhora de bastante idade que lembrava uma pessoa muito próxima apareceu.


Postar um comentário