quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

“PEQUENICES”


"A frivolidade é também uma forma de hipocrisia porque as pessoas não são aquilo. A pessoa, quanto mais frívola nos parece, mais esconde a sua natureza profunda." Agustina Bessa-Luís


Um dia, Antônio sentou no bar e assistiu pela tevê um senhor a falar sobre cinema. Achou tão interessante que comentou com um desconhecido ao seu lado:

- Bacana o que esse cara está dizendo.

- Não consigo entendê-lo. Tem os dentes tortos e amarelos. Além de uma barriga gigantesca, que horror!!! Será que é casado? Coitada da esposa deve sofrer em transar com este filho do capeta.

- Que isso?!

- E o pior que é enrugado, parece uma uva passa.

- Desculpa, você é muito escroto.

- Só estou dando minha opinião, olha a liberdade de expressão!

- Por essas e por outras que, muitas vezes, a liberdade de expressão precisa ir para o espaço!!!!

Jogou a cerveja que bebia na cara do outro e voltou para casa, desejando nunca mais sair. Outro dia, Antônio se sentou no bar e assistiu pela tevê um jovem escritor dando uma entrevista sobre seu processo artístico.

De repente, uma mulher começou a conversar alto com uma colega:

- Esse cara da tevê é lindo e sarado!!!! Já o vi correr pela praia, tem o
abdômen  rasgado!!!! Ele é o quê, ator? Gostoso!!!

- Oh minha filha, preste atenção no que ele está dizendo!!!...

Antônio teve um surto por não aguentar tantos “pequenices”, internando-se numa casa de repouso.


Postar um comentário