sábado, 20 de dezembro de 2014

MÁSCARAS



PREFÁCIO
Muitas vezes, escrevo histórias com o mesmo tema. Isso na literatura é falta de originalidade, mas para mim é interessante perceber os temas recorrentes que me fazem pensar. Por exemplo, fiz uma pesquisa no meu blog, colocando a palavra máscara e encontrei um monte de minicontos relacionados com este tema. Resolvi, então, fazer uma antologia.  Para quem não leu, aproveitem a leitura.

***
A máscara é o que é; vazia de significados. Quando alguém a coloca no rosto, torna-se pele e quimera. Quando é retirada volta ser o que é. Para viver, precisa se banhar na imaginação das pessoas.

***
“Todos usamos máscaras e chega uma hora em que não podemos tira-las sem arrancar nossa própria pele.” André Berthiaume

***
“TENHO MEDO DE MASCARADOS”

– Tem medo de você, então?
– Não uso máscara.
– Todos nós usamos, uns utilizam a máscara-objeto para ocultar só o rosto e outros usam a máscara-invisível para esconder a alma.

A MÁSCARA

Em uma loja de antiguidades, a jovem entra e a vê a rouba, por impulso.
Coloca no rosto. Vive intensamente experiências nunca imaginadas e goza cada momento.
***
Dias depois, é encontrada morta na cama de um hotel barato. A máscara retorna para loja.
Outra jovem entra e a vê...

O MASCARADO

Usava uma máscara não para se esconder, pelo contrário, quando a colocava vivia sua verdadeira identidade. Era o mascarado que encantava crianças, adultos e idosos com seus truques mágicos. Quando aparecia no vilarejo, as pessoas o rodeavam. A máscara era a sua segunda pele. Era a face que escolhera e que representava sua alma.

SÓ DESEJO

De repente Sandra sente alguém a agarrando. Ela dá um empurrão e o homem mascarado rola da escada e cai inerte na sala. Desnorteada se aproxima do corpo e tira a máscara.
Era seu marido. Ao remexer no bolso da calça, encontra a cópia do diário em que relata sua fantasia de fazer um sexo selvagem com um invasor. 
- Amor! Era só desejo, Amor!


Sonha com ele...

Perseguindo-a e a possuindo vorazmente. Numa noite, o mascarado retorna e ela teve o ímpeto de tirar a máscara. Levou um susto ao ver seu próprio rosto. Acordou e se olhou no espelho. Viu marcas de unha na face.

PERSONA MARAVILHOSA

Vivia para os outros e era considerada A GRANDE MÃE de todos. Sempre tinha comida na sua casa para os que morriam de fome e remédios para os adoecidos. Um dia, todos ficaram surpresos quando ela desapareceu e uma enorme máscara foi encontrada sobre a cama.

LADO OCULTO

Consideravam-no um debochado que desrespeitava a tudo e a todos. Nunca descobriram que quando a noite cai, ele retira uma máscara grotesca, revelando assim sua verdadeira forma: um belo anjo de asas despedaçadas.

DESCOBERTA

- Que máscara sombria!
- É que descobri quem quero ser.

A mãe correu desesperada para o quarto do filho mais novo, que estava muito silencioso...


- O que vai querer?

- A menina que você esconde nessa máscara vulgar.


- Isso nunca.


" A MORTE LHE CAIU BEM"


Todos o ridicularizavam pela sua feiura. Um dia, quando a morte o visitou, colocou no rosto dele uma bela máscara.

REVELAÇÃO

O menino tem pena de uma máscara que aparenta ser triste. Um dia, não aguentando mais a melancolia dela, entra escondido no atelier do pai e a joga pela janela. Quando o pai vê a cena, fica irado e lhe dá um castigo de não  brincar mais  na rua por um mês.

Anos se passaram, quando o pai vai ao cinema vê uma jovem atriz com feições idênticas da máscara que fizera anos atrás. Tem uma revelação. Ao chegar, liga para o filho já grande e que reside no exterior:

- Desculpa.

ALMA GÊMEA

– Doutora, eu vejo o que ninguém vê. As pessoas que andam pela rua, são máscaras flutuantes. Inclusive você. Eu sou, na realidade, uma geleca...

A máscara flutuante da psicanalista se parte, aparecendo outra geleca. As duas se fundem num enorme gelecão que atravessa o céu.
Postar um comentário