segunda-feira, 9 de setembro de 2013

ENCONTROS




Olhava absorto o encontro da lua com Vênus, sentia-se bem. De repente, ouviu um barulho na mata e retornou para casa. Gritos ecoavam através das folhagens, reavivando lembranças antigas. Quando era menino foi perseguido pelos outros garotos, os valentões da cidade. Chutaram a porta, desesperado pegou a faca. A porta foi arrombada e um homem encapuzado invadiu a casa. O medo se tornou ira. As imagens do passado se sobrepuseram ao invasor. Esfaqueou o intruso e os outros fugiram para mata. Ao subir o capuz reconheceu o rosto, apesar de o tempo modificá-lo. Era Luiz e a última imagem que o intruso viu foi o encontro da lua com Vênus.

Horas antes:
- Luiz, voltou quando?
- Ontem, Sandro. Vim de férias.
- O “Doutor” retornou à pequena cidade, então.
- Para de palhaçada, Sandro. E aí? Continua no ramo da agropecuária?
- Sim... Lembra-se de como a gente se divertia?   Éramos tão destemidos.
- E quando a gente sacaneava o Lúcio, Sandro?
- Sempre fomos terríveis, como sinto falta daquele tempo. Queria reviver um pouco o passado, Luiz.
- Seria interessante. Eu era tão cheio de vida que chegava a ser cruel. Agora, estou um bunda mole.
- Lúcio ainda mora na casa perto da mata. Sempre vive só, vamos visitá-lo?
- Coitado, Sandro...
- Vamos reviver nosso passado glorioso, Luiz.
- Está bem. Estou precisando de ação para me sentir vivo outra vez.
- Combinaremos com a turma na praça às vinte e três horas.


Postar um comentário