domingo, 29 de setembro de 2013

“O olho que tudo vê”...


Andrew Wyeth – Wind from the Sea, 1947


Mesmo impossibilitado de sair da cama, Heleno sabia de tudo. Muitos ficavam curiosos, como conseguia prever os fatos? Com o tempo, foi apelidado o grande olho que tudo vê.  Nunca revelou a ninguém como se antecipava aos acontecimentos. Na verdade, era o vento que  adentrava seu quarto e lhe relatava as notícias.
Postar um comentário