quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Crédito da foto: http://www.bemlegaus.com/2007_11_01_archive.html



SOMBRAS

Gritava apavorado ao ver mãos tentando agarrá-lo. Ligavam a luz. Elas desapareciam. Eram somente as sombras dos galhos das árvores, que tomavam formas e movimentos a partir da luz fraca vinda da rua e do vento. Acalmava-se. Perguntavam se desejava dormir com o quarto iluminado; ele respondia que preferia o aposento escuro, pois assim estava cara a cara com as sombras. Na claridade, ocultavam-se e poderiam lhe fazer uma surpresa a qualquer momento.

Postar um comentário