domingo, 9 de janeiro de 2011




TÚNEIS E AVENIDAS

 
Quando meus lábios percorrem seu corpo, descubro uma cidade inteira. Transeuntes de rostos embaçados, ruas largas, veículos são tão rápidos que só consigo divisar seus vultos. Em cada esquina descubro uma sensação que ainda não conheço. Vou me perder em você, sou um anônimo que caminha por seus túneis e avenidas ...






1789
Ele acorda e escreve, à bico de pena, um poema para sua musa.






2011
Ela acorda e começa a ler um manuscrito antigo. Fica obcecada por traduzir o texto que parece invadi-la.
Postar um comentário