quinta-feira, 23 de julho de 2009



Crédito da foto: http://flordomar.no.sapo.pt/joshua.rainey.jpg

CONSUMIDO

Andava apressado e bufava. Um ódio sem motivo o transbordou e a alma irada jogava pragas terríveis para toda humanidade. Sentou numa praça e viu dois meninos brincando; o maior pegou uma barra de chocolate e dividiu com o menor. Esta cena proporcionou uma trégua da tormenta que sentia. De repente, ouviu os passarinhos cantando e a praça estava avermelhada por causa do por do sol. Cerra os olhos e relaxa pela primeira vez, depois de muito tempo.

Postar um comentário