terça-feira, 2 de junho de 2015

Petra


Imagem encontrada no google

“O tempo é a imagem móvel da eternidade imóvel.” Platão

“A palavra é tempo, o silêncio é eternidade.” Maurice Maeterlinck

Tinha um namorado tão secreto que todo mundo desconfiava se era fruto de sua imaginação. O tempo passou e mesmo casada, com filhos e netos, Petra continuava a receber visitas de seu amante. Ele a amava com fervor e nem se dava conta das marcas do tempo que talhavam sua amada. Enquanto Petra rejuvenescia, quando o corpo jovem de seu amante a tocava.
Ele era sua fantasia, a qual servia de válvula de escape para enfrentar os problemas do cotidiano. Muitas vezes, pensou fugir com ele, mas amava sua família e desistia da fugir.  Ao morrer, o namorado de Petra sofreu muito e se recolheu em sua solidão, sentindo o peso da eternidade.

Voltou para Transilvânia a esperar a morte se lembrar dele.

***
Outro conto com a temática igual...
http://dudv-descarrego.blogspot.com.br/2012/11/quimerico-uma-ideia-antiga-mas-outra.html
Postar um comentário