sábado, 6 de abril de 2013

CASTELO DE AREIA


Imagem encontrada no google


Não sei a razão, sempre sonho com um em ruínas. 

 Hoje é aniversário da minha mãe. Acabo de me arrumar e saio com minha mulher e filhos para a casa de meus pais. Tudo está aparentemente tranquilo, como sempre.

 Mas, quando vou ao banheiro, vejo meu pai flertando a jovem empregada no corredor. Não quero ver isso e retorno à sala de jantar. O celular da minha mulher toca, observo-a nervosa e vai para varanda atender. Quando chego à cozinha, minha mãe olha fixamente para o basculante. Chamo-a, mas não me atende. Está em transe. Por segundos, tenho impressão que tem areia por toda casa.

As crianças brincam no quintal e as chamo para ir embora. Ao sair, vejo Heleno voltando da padaria. Recordo-me que eu e os meninos do bairro implicávamos com ele. Era tão indiferente a tudo. Hoje, estava bem, parecia feliz. O antigo ódio por Heleno surgiu novamente. Apesar das humilhações, sempre matinha a cabeça erguida, vitorioso por sobreviver a mais um ataque.

 Arranquei com o carro. Minha família ficou assustada. 

Eu estava com olhos vermelhos. Havia grãos de areia neles.
Postar um comentário