sábado, 28 de janeiro de 2012

Conto antigo 6/12/2009





TRANSFERÊNCIA


Ele a amava e sabia que ela lhe era fiel. Mas estranhava que, às vezes, a sombra da amada lembrava uma forma masculina. Ficou com medo de estar novamente doente dos nervos, tentava não ver o contraste da namorada de cabelos longos com a figura projetada de um homem.

Um dia, acordou sozinho. Ao lado da cama onde ela dormia, estava um bilhete:

"Não posso deixar que ele te machuque. Te amo."

Desesperado, saiu de casa. Virando a esquina encontrou um tumulto. Começou a atravessar a multidão. Encontrou sua amada no chão, ensanguentada, com pequeno buraco no meio da testa e um revólver na mão.

Não se deu conta, mas quando retornava para casa, uma sombra feminina o seguia.
Postar um comentário