terça-feira, 1 de março de 2011




LADO SELVAGEM

Diferente das outras pessoas as palavras não o levava para razão, pelo contrário, conduzia-o ao seu lado selvagem. Quando ele entrava no escritório para escrever, a mulher trancava-o a chave. Os filhos ficavam assustados com os rugidos que vinham atrás da porta. A mãe sempre recomendou nunca entrar no recinto e, para não ser desobedecida, mostrava a cicatriz do pescoço. Ao amanhecer, o homem batia na porta. A esposa destrancava e abraçava o marido de roupas rasgadas. Na mesa do escritório, um calhamaço de manuscritos repousava ao lado do computador.




Postar um comentário