domingo, 20 de setembro de 2015

SÉRIE JOVENS ADORMECIDOS( CONTOS ANTIGOS)


 


- JOSÉ

A mãe o chama. Ele está pescando no rio, retorna para casa e a mãe lhe diz para se arrumar. José se apronta e espera o carro. Está habituado em ir àquela casa que parece um castelo. Quando entra, mandam-no se despir e colocar uma venda nos olhos. João se deita na cama e se deixa levar pelo sono. Nem percebe ser observado e, às vezes,  tocado levemente. Em casa tem tantos afazeres, que este momento significa seu descanso.

ENTRE O SONHO E A REALIDADE

Recebia uma visita ao amanhecer. No espaço curto de tempo em abrir e fechar as pálpebras via dois seios iluminados pelo sol. Desde pequeno, não acordava na hora, mas, aos poucos, como se o tempo da alma fosse diferente do corpo. Coincidentemente, uma prima estava passando uns tempos com o marido em sua casa. Quando foram embora as visitações cessaram. Dois meses depois, sua mãe recebeu um telefonema da prima, que a deixou muito contente. Falou para todos sentados à mesa: “Clarice ficou grávida! Finalmente!”

A AMANTE

No escuro do quarto proporciona momentos de delírio ao amado e quando ele acorda, dissipa-se com os primeiros raios de sol. Na cozinha, a namorada prepara o café. Ele se aproxima e a beija.
A amante repousa saciada no inconsciente dele.

DESESPERANÇA

Estava tão desiludido com o caminhar da humanidade que pediu ao bruxo a maçã enfeitiçada. Ao comê-la caiu nas profundezas do sono. A princesa não quis beijá-lo, pois ele sofreria ainda mais quando visse tudo putrefato ao redor.
Postar um comentário