domingo, 25 de janeiro de 2015

NÃO MAIS PARTIDO...

Imagem encontrada no google


Meu pai era um homem imponente e bem educado. Mas, sempre ouvi falar que quem o aperfeiçoou foi minha mãe, pois ele era de origem humilde. Seu passado era ofuscado pelos prêmios e condecorações que recebeu ao longo do tempo.
Um dia, papai adoeceu e uma senhora com vestimenta simples apareceu na nossa casa. Ela cuidou dele até o fim e o acalentava como se fosse um bebê, cantando cantigas de ninar. Minha mãe fazia vista grossa, amava-o o bastante para saber que isso fazia bem para ele. As duas desenvolveram uma cumplicidade que se aproximava a uma amizade.  Quando papai morreu, abraçaram-se em silêncio. No velório, recordo-me da senhora passar a mão na minha cabeça e ir embora para sempre.
Anos se passaram e esta recordação persistia em mim. Perguntei para minha mãe quem era aquela senhora e ela me disse: “ sua avó”. Quis saber mais e ela me deu o endereço.
A senhora estava sentada na varanda e me recebeu contida. Perguntei por qual motivo nunca me disse que era minha avó e ela respondeu ser complicado responder. Ela e meu pai estavam brigados tanto tempo, que ela não queria se machucar mais. Decidiu tentar ser indiferente, mas nunca conseguiu.
Mostrou-me fotos antigas de meu pai e o quarto em que ele dormia. Ela me chamou a atenção de como os olhos dele eram tristes e concordei. Até nas fotos de festas e premiações, seu olhar era muito melancólico.
Então, começou a falar sobre ele. Disse que sempre desejou ir embora para ser bem sucedido. Colecionava revistas de viagens, de mansões e comentava que encontraria a felicidade nesses lugares. Um dia, despareceu com o vento.
Minha mãe deu sua versão, que meu pai sentia-se incompleto, apesar das vitórias conquistadas. Escrevia cartas que nunca eram respondidas. Uma vez, minha mãe o viu escrever em seu bloco de notas “ banzo”, que significa um sentimento de nostalgia que os negros da África têm, quando estão ausentes do seu país, é um termo de origem africana. De certo jeito, sentia falta de sua origem, a mesma que  no passado sempre quis fugir. 
Através dos relatos de minha avó e da minha mãe percebi como meu pai estava à deriva, porque  talvez não conseguisse encontrar um lugar no mundo. Quando achou que saindo da casa materna, encontraria sua identidade, descobriu que não estava completo e faltava o que deixou para trás.

No leito de morte, papai estava tão tranquilo... Talvez, porque finalmente se percebeu completo e não mais partido. 
Postar um comentário