domingo, 8 de julho de 2012




MÁSCARAS

– Pai, as máscaras querem me pegar. Pai, me protege. Quero encontrar Maria, sabe dela? Pai, o fogo tá queimando tudo. Pai, amo você e a mãe. Não agüento viver aqui. Pai, se alguém ligar pra mim, não estou. Pai, tá chovendo, a cratera surgiu do nada devorando tudo. Pai, dizem que o planeta vai esquentar, não quero pensar nisto. Pai, tenho medo de envelhecer. Eu amo Maria, ela foi pra muito longe tentar a sorte. Não quero sair daqui, pai. As máscaras estão me perseguindo. Os dias estão esquisitos e as pessoas estão loucas, pai. Quando era menino passeava comigo de bicicleta, riamos sem parar; tenho saudades desse tempo. Lúcio não presta, se ele bater na porta diz que não estou, pai. Ele me ferrou no trabalho. Pai, o elevador tá cheio de máscaras, expulsa elas pra mim. Se transforma em super-pai e me salva. As máscaras são horrendas e querem me pegar. Querem me torturar!! Pai, me empresta dinheiro, fugirei para o lugar mais remoto do planeta. Pai, precisa me ajudar. Marcos ligou, disse que lhe dei um calote. Mentira, pai! Na realidade, ele faz parte do grupo das máscaras que quer me pegar para me torturar e tirar a minha vida. Um carneirinho, uma borboleta e um peixe estão conversando no telhado, pai. Mata eles. Que nojento! Duas moscas estão cruzando em cima do meu pão, perdi a fome. Agora, pai, vou dormir um pouco e sonhar com Maria. Fecha bem as portas para as máscaras não me pegarem. Confio em você, pai.
Postar um comentário