domingo, 10 de julho de 2011




Tim Flach-Equus project-no Lightmylife



CAIXA DE ENTRA( 1 MENSAGEM)

Sim! Escrevo e-mail para mim mesmo. O que me leva a cavalgar em pensamentos para terras distantes da minha insanidade? Quero ser salvo e ao mesmo tempo desejo me perder. Por que sou tão contraditório? Tantas questões sem reposta. Estas palavras escritas são reflexos de meus pensamentos que estão tropeçando toda hora na minha cabeça. Por que escrevo e-mail para mim? Talvez, um dia posso respondê-lo ou deletá-lo, pois não entenderei nada. Algo me esmaga, são as ideias e preciso descarregá-las. Peixes de letras beliscam minha perna, comem meus pelos. Sereias com rostos de vaginas cantam para mim, mas não ouço nada, sinto a vibração na minha carne. Doideira! Farei brigadeiro. Não tem leite condensado. Nada presta na tevê. Continuo a escrever este e-mail. Sempre tive medo da loucura, mas tenho um desenho de uma âncora que aperto contra o peito. Vou ficar aqui! Sou mais forte, enfrentarei o dragão que cospe fumaça de gelo e que queima toda a minha pele. Não sei o que estou fazendo, devoro minha própria calda; sou cobra. Leio Borges, não entendo porra nenhuma, sinto-me esmagado por conhecimentos holísticos e muito antigos. Entretanto, a única coisa que compreendo é que ele fala que os mitos estão dentro de nós vivos e que se repetem ao longo de gerações. O que se passa com a gente, aconteceu com outras pessoas do passado. Nossas vidas são simulacros dos mitos. Como no conto a História do Guerreiro e da Cativa, a imensidão do deserte me chama. Caos! Não compreendo que estou digitando. Será que vou entender esta merda aqui? Sonhei com uma águia que tinha o rosto de Clarice Lispector, escrevia no céu encantando as outras feras. Este e-mail está muito longo. Termino por aqui, talvez, tenha continuação. Agora, permaneço a cavalgar ao lado da cachoeira selvagem rumo ao desconhecido.


Até mais,
eu mesmo.
Postar um comentário