terça-feira, 5 de julho de 2011





PERSONAGEM

“Escrever não é nada mais do que um sonho guiado.”
Citação supostamente de Jorge Luis Borges


...Desprendeu-se do livro e, como um fantasma, possuía as pessoas que cruzavam seu caminho. Adorava ver-se em diferentes formas. Quando se cansava de ficar muito tempo num corpo, largava-o de repente. Consequentemente, as vítimas acordavam em lugares estranhos e ficavam atordoadas. Tentavam voltar para casa, mas quando retornavam, tudo estava diferente.



***



“Curioso, falta um personagem no meu livro. Os outros dizem que estou dizendo maluquices, mas sei que ele existe.”. O escritor percorria a cidade a procura de sua criação. “ Ele deve estar em vários lugares, ao mesmo tempo, pegando carona com o vento.”. Olha para um indivíduo e reconhece o olhar do personagem. Começa a segui-lo. O outro percebe a perseguição e para. Vai ao encontro do escritor: “ Você nunca me pegará.”. O escritor percebe que o olhar do personagem se dissipa e o outro atordoado pergunta: “quem é você?”.
***



“ Está é minha natureza, sou invasor de corpos. Faço isso para sobreviver, senão continuo a ser uma invenção. Seguirei o destino que escolhi.”.
O personagem continua sua travessia.



***

Os meses se passaram e a perseguição continuava. Criador e criatura reconheciam-se a cada esquina. Nenhum dos dois queria desistir. Um dia, cansados, resolveram fazer um duelo. O personagem invadiu o corpo do escritor, mas ele continuou consciente. Para a batalha, o personagem chamou todas as criaturas que viviam no inconsciente do escritor com o intuito de o devorarem. Mas, ele tinha todos os conhecimentos filosóficos e racionais ao seu lado. A guerra foi violenta...



***

O escritor e o personagem no último confronto se fundiram.  Deixaram de ser unos, tornaram-se duplos. Viviam alternadamente suas vidas, perdidos nos labirintos que um deixava para o outro.
Postar um comentário