segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

Loucos?!


  
Desde que me entendo por gente, quando a noite chegava e o sono vinha, ninguém dormia. Todos ficavam vagando por aí como zumbis e à espreita de quem está acordado, para mordê-lo e o transformar como igual. Ao amanhece, todos voltavam ao normal e agiam como se nada tivesse acontecido.

 No início, tinha medo, mas, me acostumei com os sons que minha família emitia. Comecei a dormir tranquilamente, enquanto os outros acossavam. Sempre escutei gritos na alta madrugada, era um "acordado" que foi descoberto. Ao crescer, curti minha infância e juventude sem muito drama. A única coisa que me incomodava era os gritos ou quando alguém ficava a me observar para ser se dormiam realmente.

O tempo passou, tive mulher e filhos. Eram zumbis, também. Como estava habituado, nem me importei. Até quis, ser mordido por eles para não ser mais diferente. 

Quando surgiram as redes sociais, descobri o "grupo dos acordados". Entrei em contato e conversei bastante com os integrantes. A que dialogava mais comigo era Ana e nos conhecemos no mundo real. Era casada também e sofria de ver os seus na madrugada, caçando os acordados.

Nós nos apaixonamos, porém, não podíamos abandonar nossas famílias. Encontrávamos um jeito para passar a noite se amando trancados num quarto de motel, enquanto os zumbis noturnos perambulavam pela madrugada.

Será que somos os loucos?! Ou pertencemos aos poucos sãos que ainda existem no mundo? 



domingo, 29 de janeiro de 2017

REFLEXO

New York Movie- Edward Hopper


O filme contava sua história. Perplexa, ausentou-se da sala de projeção. Uma lembrança surgiu de uma região nebulosa da memória. Há alguns anos, sonhara que estava com um jovem roteirista de cinema e que lhe revelara tudo sobre sua vida. 

sábado, 21 de janeiro de 2017

OBSERVO A VIZINHA DE BINÓCULO

Night Windows (1928) de Edward Hopper




 Ela tropeça e torce o pé! E agora? Como vou ajudá-la sem ser descoberto? Pensa Pensa Pensa...

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

EXAUSTA( conto antigo)


Imagem encontrada no google

gritos das crianças, dor de cabeça, marido na guerra; mãe doente entrevada na cama, meus olhos não conseguem ficar abertos, o bebê chorou o dia inteiro; não tem quase nada na dispensa, as crianças reclamam, dou um safanão nelas; deixo-as de castigo. O fogo me esquenta, ao mesmo tempo, parece que me convida para dançar; de repente as sombras dos moveis e dos talheres se estendem por toda casa. “MAMÃE”, retorno à consciência, “ Vovó morreu!”; coloco o pequenino no berço, vou ver minha mãe. As crianças reclamam do frio, almejam colocar mais lenha para alimentar a lareira. Digo que atravessamos tempos de crise, precisamos poupar e parar de frescura. Olho novamente para o fogo, como queria ter aceitado o convite o convite do forasteiro...


Também, publicado em http://tudocultural.blogspot.com.br/




terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Consciência




video


Sabia que era bonito e perfumado, mas, sentia um odor forte que não conseguia se livrar. Ficava horas no chuveiro e ainda o cheiro persistia. Refugiava-se na admiração dos outros, só que durava pouco tempo. A solidão vinha e o odor tornava-se mais presente. 
Ele sabia que algo estava errado, porém, ficava na superfície da racionalidade, uma vez que não queria ser tachado de louco.

Quando dormia, devorava todos os calmantes que encontrava. Refugiava-se na não consciência.

Um dia, percebeu-se no abismo e, pela primeira vez, não sentiu o cheiro peculiar. Deu um salto no escuro, feliz.

Estava livre!

Quando vejo um papel higiênico esvoaçante...

video


 Lembro-me de prima Laura vestida de noiva. A pobrezinha fez o próprio vestido e amava o noivo.

Mas, ele fugiu para não se casar. Conheceu uma palhaça e descobriu que queria ser um palhaço, também. Os amantes saíram por aí sendo o casal mais engraçado de todos os tempos. 


Prima Laura ficou louca com a notícia. Rasgou o enxoval e se jogou da janela, completamente nua. No lugar, onde caiu, surgiu do nada um belo jardim admirado por todos.



quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

INFORMANTE



Todos se perguntavam como o jornalista-fofoqueiro conseguia informações quentíssimas das celebridades. Sempre publicava notas exclusivas. 
Sua fonte principal era a lua que espiava por milênios o cotidiano dos famosos. 
Depois, contava-lhe tudo.


Indiferença( conto antigo e revisado, pelo menos por enquanto)

“Odeio os indiferentes. Acredito que viver significa tomar partido. Indiferença é apatia, parasitismo, covardia. Não é vida. Por isso, abomino os indiferentes. Desprezo os indiferentes, também, porque me provocam tédio as suas lamúrias de eternos inocentes. Vivo, sou militante. Por isso, detesto quem não toma partido. Odeio os indiferentes.” Fonte: Quinzena, nº 236. São Paulo, CPV, 31.08.96, p.32. Antonio Gramsci 

 Vi um assassinato, merda! Não posso me preocupar com isso. Tenho prova amanhã cedo na faculdade, preciso arranjar emprego; levar o cachorro ao veterinário, comprar as coisas para o churrasco do final de semana. Nem conheço o cara que foi morto. Tenho muitos problemas para resolver. Bem, estava equivocado... 

Meses depois, fiquei perplexo com o sumiço de minha noiva e com um bilhete curto: " estou indo embora, não te amo mais" , pedi à sua mãe que me deixasse ir ao quarto da filha. Ao vasculhar todo o lugar, descobri o diário dela: "...estou apaixonada por ele e esta paixão me deixa louca. Ele me revelou sua profissão, tive medo e ao mesmo tempo excitação. O meu namorado é indiferente, já o outro é quente e atencioso. Um dia, comentou que me viu saindo com Jorginho e que eu parecia estar. Falou que o reconheceu, quando assassinou seu desafeto... Quis matá-lo, também, mas, o meu namorado não fez nada como sempre (vivi só para si!!!). Então, Márcio decidiu deixar pra lá e poupar a vida Jorginho . Disse que vai fazer o último serviço, que custará uma boa grana. Depois, a gente vai fugir para um lugar tranquilo. Não vamos passar a perto."

 Pois é, deveria ter denunciado aquele cara. Agora, serei alvo de fofoca de toda a vizinhança. Mas o tempo passa. Esse caso que aconteceu comigo se tornará indiferente para mim e aos outros. Cairá no esquecimento.


quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

Famoso, quem?


Oi, sou eu. Não se lembra de mim? Participei de um famoso programa de televisão... Ainda não sabe quem sou? Além do programa, dei tantas entrevistas. Namorei até atrizes e modelos famosas da época... Também, não as conhece, que isso?! Depois, não me venha falar que "sou o famoso, quem?". Vai procurar no Google, com certeza encontrará um material vasto sobre mim e minha carreira... Participei de um programa muito famoso( como já mencionei antes) e frequentei lugares badalados em que só os ricos e famosos transitam. Fui até para um castelo famoso... Caralho, meu filho, ainda não sabe quem sou? Desculpa, mas, é um jornalista de bosta! Não tem internet em casa pra fazer uma pesquisa antes? Pois é, hoje em dia, não precisa mais fazer Comunicação Social para ser jornalista, não é mesmo?Ahn? Você é formado? Pode até ser, porém, formou-se numa faculdade de merda, né? Também, para fazer fofoca e intrigas, não precisa de diploma... Calma, não fica nervosinho, é que sei muito bem sobre isto, já que quando estava no auge da minha fama, inventaram tanta coisa ao meu respeito... O quê, já acabou a entrevista, jura que não quer me perguntar mais nada? Poxa vida, tem certeza? Olha, hoje, minha agenda está disponível... Está certo, então. Agora, não vai distorcer o que falei! Vou processar até uma vírgula fora do lugar.