sábado, 5 de junho de 2010
















ESTRANHAMENTO

Lembrou-se de uma metáfora que dizia: a vida é uma imensidão de janelas.

Quando foi dormir sonhou que as janelas formavam portos e ele observava, de longe, num barco. Todos desembarcavam em seus caminhos e ele continuava, sozinho, a atravessar o rio.


Quando acordou, a primeira palavra do dia que veio na cabeça:  

“À DERIVA”

Postar um comentário