quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

Imagem retirada na internet

CULPA


"Não tenho culpa de nada. Não posso ser punido pelos erros dos meus antepassados, pagar uma dívida que não contraí e que, quando foi feita, os meus avós não eram nem nascidos. Não tenho culpa do outro estar com fome e muito menos do aquecimento global. Por que tenho que me sentir pesado devido à culpa que está sentada nos meus ombros? Sou inocente. Quando fui concebido as cartas já estavam marcadas. Parem de bater à minha porta pedindo algo; não tenho nada a oferecer. Se eu der, vou ficar sem e quem me dará depois? Estou pesado, a culpa tem a forma de uma menina que insiste em ficar em cima de mim. –Vai brincar com as outras crianças.–. Insiste em dizer que sou seu pai, mas não sou. A cada passo meu, buracos surgem na calçada. A menina tem o peso do mundo. Mesmo, sendo um fardo, não desgosto dela e até vou lhe comprar um sacolé. A culpa, quando está entretida com guloseimas, fica um pouquinho mais leve... "

Postar um comentário