quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

“VACA”




Luiz Antônio sempre sonhou em ser escritor de sucesso, mas nunca escreveu um parágrafo sequer. Ele não pensava na escrita e sim no status de um escritor de renome que mora em uma ilha paradisíaca e numa espetaculosa mansão. Sonhava acordado com os prêmios literários, champanhês e festas de arromba com celebridades internacionais. Imaginava até aventuras eróticas com modelos que iriam visita-lo, ficando admiradas por sua cultura, inteligência e o corpo malhado. Pois, além de escritor, em devaneios, também, dedicava-se três horas e meia de treino na sua academia particular.

Um dia, resolveu escrever um best-seller e decidiu se matriculou numa oficina de contos de certa senhora escritora. Achava que resolveria todos os seus problemas, já que ao fazer a oficina, poderia conhecer contatos de alguma editora bacana.

Com o passar das aulas, percebeu que o ato de criar não era tão fácil assim. A inspiração não vinha somente com as ninfas que pegavam carona com a brisa da alta madrugada, pelo contrário, a senhora mostrou que para escrever ficção precisava muito estudo e trabalho.  Luiz Antônio se aborreceu com a descoberta de que não seria tão fácil como pensava.
Tentava ler os livros sugeridos pela velha escritora e, em seguida, surgia um tédio terrível e as pálpebras ficavam pesadas. Quando tentava escrever, empacava, ficando horas em frente ao computador. O arquivo em branco do Word mostrava com ele era vazio de ideias.

Desistiu da oficina em poucas semanas. Ficou com raiva da senhora escritora, pois ela destruiu seu sonho de ser um célebre escritor, sem nenhum tipo de esforço.




Postar um comentário