segunda-feira, 31 de outubro de 2016

INTIMIDADE


Crédito da quadro, José Ferraz Almeida Jr. - Moça com livro




Durante muitos anos ele trabalhava numa biblioteca e tinha uma formalidade com o manejo dos livros. Observava a nova moradora da pensão que sempre esquecia a porta entreaberta. Ela lia diferentes livros na cama a cada dia e, muitas vezes, adormecia com algum entre os braços. O bibliotecário entrava com passos de anjo e, com muita delicadeza, retirava o livro dos braços dela.

domingo, 30 de outubro de 2016

CAÇADOR( conto de 2009)










Era o melhor da região. Uma vez, o desafiaram a caçar o alvo mais difícil de todos, o que está dentro do seu interior. No primeiro momento, ficou enfadado com a perseguição. Entretanto, com o decorrer do tempo, começou a gostar da busca. Quando estava preste a sobrepujar a presa, deixava-a fugir, para retornar à perseguição.


quarta-feira, 26 de outubro de 2016

TÓXICOS


... Fiquei muito contente ao me mudar para um condomínio meio campestre.  As casas não eram muito coladas e havia um bosque muito bonito.

 

Depois, de me instalar, comecei a caminhar. Na rua, não havia ninguém e como era agradável andar sozinho.  Um dia, prestei a atenção em uma casa ao lado da minha. Ela parecia ser de boneca e não tinha nada fora do lugar. Um casal de idosos ficava na varanda e me cumprimentavam. Pareciam viver muito bem.

 

Sempre que caminhava, eles riam para mim e puxavam papo. Até que me convidaram para jantar e fiquei agradecido.

 

O jantar estava maravilhoso e conversamos sobre tudo. Porém, quando um se ausentava por algum motivo, o outro falava mal do que havia saído. " Ele já me traiu várias vezes.", " Ela é fria e foi péssima mãe. Meu filho mais velho se matou por causa dela...". Fiquei constrangido. A comida começou a revirar o estômago, senti-me intoxicado. Arrumei uma desculpa que precisava acordar cedo e fugi dali. Resolvi mudar o trajeto das minhas caminhadas e nunca mais passar por ali.

 

Meses se passaram e soube da notícia que foram encontrados mortos em casa. Foram envenenados por uma substância desconhecida. Será que um envenenou o outro ou foram se intoxicando durante anos até o momento fatal? Na reportagem da tevê, uma filha do casal comentou que todos da família já sabiam que era " uma tragédia anunciada".

 

De vez em quando, passo pela "casa de boneca" do casal de idosos e me pergunto por qual motivo as pessoas complicam tanto a vida e preferem viver relações tão tóxicas.

 

 

 

segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Onisciente

 




Eu sei quem vocês são 
Eu sei o que fazem
Vejo tudo
Não tem como fugirem de mim
Eu sou o autor
E vocês são meus
PERSONAGENS

domingo, 23 de outubro de 2016

ASPIRANTES A FAMOSOS E DESCONHECIDOS NEWS


 

Aspirante a escritor desconhecido flagra a namorada, aspirante à modelo desconhecida, com o amante aspirante a jogador de futebol desconhecido.

Suicidou-se e uma aspirante editora desconhecida publicará seus livros desconhecidos.



quarta-feira, 19 de outubro de 2016

Distraído...



Em seus devaneios sente alguém o beijar no canto da boca. Olha a janela e encontra a lua.


Sorri ao pensar que a vida pode ser mágica, também!

domingo, 16 de outubro de 2016

" VOCÊS ADULTOS COMPLICAM MUITO"



Um homem se senta num banco da praça. Está cansado por caminhar a tanto tempo. Um garoto aparece e senta ao seu lado.
- Oi, está por aqui há muito tempo?
- Cheguei agora, mas, seus pais não o ensinaram que não se pode falar com estranhos?
- Disseram, mas, agora, não existe mais perigo.
- Você que pensa, menino... Curioso, faz anos que ninguém conversa comigo, sinto-me invisível.
- Está morto ou vivo?
- Pergunta estranha, menino. Mas, já me fiz esta pergunta várias vezes.
- Vocês adultos complicam demais... Você faz xixi e cocô?
- Me deixa pensar,  já que me perguntou... Não faço as necessidades fisiológicas há bastante tempo.
-Estão, está morto e anda por aí sem rumo, né?
-  Eu refletindo sobre os mistérios da vida, qual era minha situação no mundo e você já matou a charada. Se não faço cocô 
e nem xixi é porque não me alimento mais. Logo, estou morto.
- Pois é, precisamos ir.
- Ir  aonde? Você precisa  voltar para seus pais.
- O pessoal lá de casa ficará bem, meu lugar é outro. Vem comigo ou prefere ficar perdido? Dê-me a mão.





sexta-feira, 14 de outubro de 2016

Apesar do labirinto de turbilhão de estímulos e informações...



Escreve algumas anotações para tese de mestrado, paga as contas, envia uma mensagem parabenizando uma amiga, pesquisa sobre os lançamentos de filmes e peças que deseja assistir, vai flanando pelos sites de seus assuntos de interesse. Mas, apesar do labirinto de turbilhão de estímulos e informações, ela continua ansiosa para que o grande amor do passado a aceitasse como amiga na rede social. Não conseguia entender como aquela menina romântica persistia a viver dentro dela e a sonhar pelo amante de séculos atrás.


quinta-feira, 13 de outubro de 2016

DESCULPA INCOMODAR SEU SONO...




Magritte " la magia nera"




- Oi!

- Oi! Quem é você?

- Não me reconhece? Sou eu, a gente conversa constantemente na madrugada adentro em nossos sonhos.

- Como? Está equivocado, senhor.

- Poxa, no sonho é mais simpática. Não acredito que não se recorde de nossos papos sobre livros, viagens e filmes...

- Senhor, se não parar de me importunar, chamarei a polícia!

O homem a pegou pelo braço e a mulher gritou por socorro. A polícia veio e ela deu queixa na delegacia.

 Quando foi dormir, sonhou com uma mulher igual a ela:

“ Desculpa incomodar seu sono, mas o rapaz que a abordou é um cara legal. Quando ele a viu, pela primeira vez, criou-me.  Mas, sou um ser com pensamentos próprios, não uma marionete. Gosto dele por livre espontânea vontade. Por favor, retire a queixa! Juro que conversarei  com ele e não vai mais incomodá-la!”.

A outra retirou a queixa, mas, não gostou de ter uma versão igual na cabeça de um estranho. Queria ser a única e ficou tão agitada que não conseguia mais dormir. Resolveu ligar para o homem que a incomodou em busca respostas. No início, ele ficou com medo, mas, decidiu encontra-la.

O homem lhe revelou o que dialogavam e ela se interessou pela sua réplica que vivia na mente dele. Começou a assimilar as características da outra e a media que fazia isso, essa desaparecia da cabeça do indivíduo que assustou no primeiro momento.

Com o passar do tempo, tornaram-se amantes e a outra se acoplou nela, desaparecendo na cabeça dele.

A outra não lutou por sua existência autônoma, chorou silenciosamente.


O GAROTO E EU




O garoto corre pela casa, lutando com inimigos imaginados.
Eu luto com inimigos reais.
Os inimigos do menino são gigantes poderosos que quando destruídos se desfazem em pó encantado.
Os meus são homens como eu, mulheres, crianças idosos e doentes. Não viram pó mágico, seus corpos se amontoam nos destroços.
O garoto luta mano a mano com uma espada de plástico.
Eu estou a quilômetros de distância do campo de batalha. Só aperto o botão para acionar o bombardeio.
O garoto cresce e vai para guerra defender sua pátria. Sente-se vencedor.
Eu retorno derrotado e a culpa me consome.
O garoto e eu somos um só universo, juntos e misturados. Vencedor e perdedor, mocinho e vilão.


quarta-feira, 12 de outubro de 2016

O PERSONAGEM( miniconto escrito em 2015)





Era mais um ator que desejava sucesso na carreira. Um dia, ao abrir a porta de casa, encontrou um manuscrito empoeirado. Começou a lê-lo e se apaixonou pela história e pelo protagonista. Concluiu que aquele papel seria o divisor de águas para sua carreira.
 Foi mostrar aos seus colegas e alguns que ouviram falar da peça disseram que era maldita. Ele não ligou e se dedicou ao máximo para produzir a peça. Fez de tudo para conseguir, até ir contra aos seus valores mais profundos.
 No dia da estreia, foi impecável. Atuou como nunca e o realismo que transmitia assustava as pessoas, parecia estar possuído.

Quando a peça terminou, ele era outro e todos ficaram abismados, já que não o reconheciam mais.

segunda-feira, 10 de outubro de 2016

NOVO MUNDO




Via tudo grandioso, inclusive, as pessoas que amava. Um dia, tropeçou e caiu em outro lugar não idealizado. Ficou surpreso que todos que estimava ficaram do seu tamanho e se tornaram outros.

Como um recém-nascido, precisou aprender a se adaptar a este novo mundo.

domingo, 9 de outubro de 2016

A VIZINHA



Nunca troquei uma palavra com ela. Mas, adorava quando ouvia aquelas músicas tranquilas que me faziam viajar.

Em muitas ocasiões, encontrava-a lendo no ônibus e procurava anotar rapidamente o título do livro. Seguia-a e consequentemente descobri um mundo novo, repleto de bons restaurantes, livrarias, cinemas,
bibliotecas e museus.

Um dia, mudou-se e nunca mais a vi. Gostaria de ter tido oportunidade de agradecê-la por me inspirar a apreciar o que existe de belo no mundo.

***