sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

NOVA VERSÃO PARA UM CONTO ANTIGO


Imagem encontrada no google


INSTINTO DE SOBREVIVÊNCIA
"O sonho é a estrada real que conduz ao inconsciente" 

Sigmund Freud





André adorava pintar paisagens e muitos o achavam cafona. Sua namorada, uma crítica de arte, dizia que precisava mudar urgentemente de estilo já que pintura acadêmica ficou muito “demodê”. A antiga bá de André não concordava, adorava os quadros dele porque transmitiam paz. Um dia, até fez um comentário enigmático a namorada de André:

- Tem coisas senhora, que não é bom provocar.

Quando a noite surgia, André tinha pesadelos e ao amanhecer desenhava as criaturas estranhas e as trancava numa jaula nos fundos da casa. Somente a velha bá tinha acesso ao lugar, para alimentar os seres taciturnos.

A noiva percebeu que havia um segredo na casa e resolveu investigar.   Seguiu André e descobriu o esconderijo.  Quando observou, ficou admirada com a coleção de desenhos grotescos e primitivos que lá habitavam. Aproximou-se da jaula, de repente ouviu rugidos apavorantes. Ficou paralisada de medo e a única coisa que viu foi o cadeado da jaula se romper.

Na manhã seguinte, ao encontrar o corpo da amada estraçalhado se desapareceu. A velha bá foi ao seu encontro e disse:

 - Falei para ela que tem coisas que não se pode provocar... Agora as criaturas fugiram. Elas não são más, são seres que possuem fome e o instinto de sobrevivência sempre se sobrepõe. Agora, precisamos resolver a questão do corpo.

- E o pior que surgirão outras criaturas através dos meus pesadelos.

- André, é só reforçar o cadeado e ter mais cuidado para ninguém descobrir. Entretanto, um problema por vez.

Um vulto apareceu rapidamente e sentiram um odor forte. Não estavam sozinhos.  


Postar um comentário