domingo, 17 de agosto de 2014

SEM OLHAR PARA TRÁS

Imagem encontrada no google



Lauro sempre teve paixão por José. Tentou se declarar, mas o vizinho dizia que era hetero. Então, ocultou por vários anos o sentimento mas, a vontade de realizar seu desejo permaneceu em seu interior, mesmo tendo outros relacionamentos.

Um dia, numa manhã como as outras, sentiu-se estranho, como se faltasse algo e quando se olhou ao espelho, viu que era uma mulher. Ficou atônito ao se perceber em outro corpo e além do mais, feminino. Correu para o quarto da irmã, Marieta, que se assustou ao vê-lo mulher. Os dois não sabiam o que fazer e decidiram inventar a história de que Lauro viajara e receberam a visita de uma prima distante. Dividiam o apartamento há muitos anos, desde que os pais haviam se mudado para o interior.

Marieta lhe emprestou roupas, depois inventou um nome para a suposta prima: Íris. Lauro estava descontente com a situação, nunca imaginou ser mulher, gostava de ser um homem que se relacionava com outros homens. Aliás, quem não o conhecia bem, nunca iria imaginar que era gay.

Marieta lhe disse para relaxar e o chamou para sair. Lauro-Íris aceitou a ideia com resistência. Quando estavam na rua encontraram José que ficou encantado com Íris à primeira vista. Lauro se incomodou, não queria que José gostasse dele nessa situação.

“ A vida é tão estranha” pensou Lauro, sempre quis que José o olhasse. Entretanto, a situação era complexa já que ele se transformara, do nada, em  mulher. A irmã brincou: “ Por que não aproveita a situação?”. Mas, não queria ser amado como mulher e sim como homem. Por isso, sempre namorou bastante para esquecer José.

O dia estava longo, Lauro queria resolver a situação que considerava esdrúxula. O pior é que José ficava a espreita e, para piorar, estava de férias do trabalho. Abordava Marieta para pegar o telefone da prima...

Marieta dizia que Lauro estava muito encucado, precisava relaxar e curtir o mistério. De repente, poderia gostar de ter um orgasmo feminino. Poderia ser uma experiência reveladora. Lauro disse que poderia experimentar, mas não com José. Trancou-se no quarto e explorou a vagina que brotara por entre suas pernas, sentiu um gozo diferente e intenso, mas não era a mesma coisa.  Sentia falta de seu pau, era seu amigo e pertencia à sua identidade. Tentou de novo, saiu com a irmã numa balada, transou com um desconhecido e teve a mesma sensação de estar incompleto.

A madrugada avançara e os irmãos voltaram para casa, bêbados. Lauro-íris foi para o quarto e desejou, com todas as forças, voltar a ser homem novamente, mesmo que nunca experimentasse o amor de José.

Em um outro dia, Lauro sentiu-se diferente e se olhou no espelho. Gritou de felicidade, havia voltado à sua forma original. Marieta o abraçou feliz Lauro decidiu que acabaria com o amor platônico por José.  Quando foi à padaria, José perguntou pela prima e Lauro respondeu que nunca mais voltaria. Percebeu o outro triste, mas foi embora sem olhar para trás.


Pela primeira vez, sentiu-se com o coração fértil para novos amores.
Postar um comentário