quarta-feira, 30 de setembro de 2009



BATALHA DE CADA DIA

Lá fora chuva fina e sinfonia de pássaros. No quarto, tenta se desprender da cama. Todos os dias, precisa se livrar de uma transparente membrana que o prende ao colchão.

domingo, 27 de setembro de 2009

sábado, 26 de setembro de 2009


Autor da foto José Luis Elvas: http://br.olhares.com/castelo_de_areia_foto758219.html



NA PRAIA

– Papai, o castelo de areia está se desmanchando pelas ondas.

– Você deixou seu bonequinho lá. Pega ele, se não o mar vai levá-lo.

– Vou socorrer ele, já que não posso ajudar você, papai.

quinta-feira, 24 de setembro de 2009


Crédito da imagem:http://www.cultura.mg.gov.br/arquivos/AcaoCultural/Image/andarilho.jpg

TABU

Havia uma faixa branca no meio da praça que lhe diziam que não podia atravessar. Ninguém do povoado soube se alguém cortou a fronteira, mas se passava o conhecimento ancestral que era proibido cruzar a demarcação. Os mais idosos comentavam que a cidade seria amaldiçoada. Ele não digeria este impedimento e, na calada da noite, cruzou a linha. Um vizinho viu e fez um escândalo. Os morados saíram apressadamente e o expulsaram do povoado. A única coisa que os pais dele puderam fazer foi arrumar uma mala improvisada e lhe entregaram para ir embora. Pegou a bagagem e desapareceu no horizonte. Não estava sozinho, o seu cachorro o acompanhava. Não acreditava em tabus.

quarta-feira, 23 de setembro de 2009






SEMPRE ATENTO

Observava com discrição as pessoas, situações e, depois, escrevia tudo num pequeno bloco. Um dia, recebeu um desenho que o retratava digitando suas crônicas, inspiradas nas anotações, no computador.Viu uma infinitude de janelas lá fora. Sentiu excitação e medo, pois não era só ele que estava à espreita.

Há muitos anos,

Fotografou o mar e guardou o retrato no fundo de uma gaveta. Um dia, lembrou-se da fotografia e foi procurá-la. Percebeu umidade no interior da cômoda e resquícios de sal. A foto estava em branco.

segunda-feira, 21 de setembro de 2009


Imagem encontrada no google

MENINO FRÁGIL

Sempre teve essa aparência, mesmo quando a terceira idade bateu à sua porta. Quem o conhecia queria cuidá-lo, aconselhá-lo e até a dar broncas, quando fazia maus feitos. Às vezes, apesar de se sentir um pouco preso por tanto zelo, as vantagens o compensavam. Principalmente, quando desejava algo.

domingo, 20 de setembro de 2009

Anonymus 1 por Andrea K..

Crédito da Imagem: Anônimo de Miklós Ligeti***_ http://www.flickr.com/photos/andrea_k/452988891/


ANONIMATO

Gostava de observar nos mínimos detalhes os fatos. Anulou o ego tornando-se invisível; espreitava a tudo sem deixar pistas. Foi considerado um dos cronistas que mais narrou com veracidade os acontecimentos de sua época. Hoje, tem vários admiradores que publicam crônicas sem assinaturas em blogs e sites. Acreditam que terão o mesmo êxito que o ídolo conquistou em seu tempo.

***A estátua é uma homenagem ao cronista incógnito, que escreveu a história do seu país. Viveu no anonimato e escreveu Genta Hungarorum, onde relata a história da Hungria primitiva.

sábado, 19 de setembro de 2009

A[__time runner__]

Autor da foto: Bruno silva http://br.olhares.com/__time_runner___foto3015570.html


CHEGA A SUA CASA:

liga a secretária eletrônica e o som do mar ressoa na sala. A empregada chega das compras e pergunta se deseja algo e ele responde:

– Faz um favor pra mim novamente. Vai à praia e diz para o mar que estou muito ocupado para contemplá-lo e tentar um diálogo com ele.

Ela foi sem pestanejar. Adorava conversar longamente com o mar.


Crédito da foto: http://images.paraorkut.com/img/papeldeparede/1024x768/d/deserto-2015.jpg

E-MAIL

Assunto: LIBERTA-SE

Abre o arquivo. Sente o vento e a areia em seu rosto. Sem pensar, atravessa o monitor e se enreda no deserto.

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Credito da foto: http://cleber.eng.br/blog/wp-content/uploads/2009/05/internet-pela-tomada.jpg


SENTIMENTOS REAIS

No seu velório e enterro não havia quase ninguém; só alguns parentes e amigos de muito tempo. Todavia, quando muitos amigos virtuais descobriram que havia falecido, fizeram homenagens através das redes sociais da Internet em que ele era “logado”. Pessoas de diferentes cidades e países lhe fizeram tributos, utilizando diversas formas culturais e religiosas. Entretanto, o sentimento era o mesmo.


Imagem encontrada no google


... DISSE: " O QUE VC FARIA SE SEU TRAVESSEIRO FALASSE?"

... disse: " Perfurava ele com um furador de gelo."

... disse: " Certo... preciso sair da internet agora, tenho que ir ao supermercado."

... disse: " Tchau."

***

Foi à cozinha e pegou uma faca. Não tinha furador de gelo.

quinta-feira, 17 de setembro de 2009


Rio do Grand Canyon http://www.baixaki.com.br/papel-de-parede/8493-rio-do-grand-canyon.htm


TODOS OS RIOS O RIO

Fornece água para colheita e peixes aos pescadores, é um vazo comunicante que leva e traz os barcos dos viajantes; é o local para o batismo dos recém-nascidos. De dia, as crianças brincam; quando a noite cai, um refúgio para os amantes e para criminosos que praticam maus feitos; quando só se ouve o barulho das águas correndo. Em tempos de cheia, invade casas e aniquila tudo que encontra pelo caminho e quando volta ao normal proporciona vida às suas margens. Existem histórias bastante antigas que dizem que o ponto, onde desemboca, há um portal para outro mundo e que muitos aventureiros nunca mais retornam para casa. Outros comentam que faz bem o indivíduo jogar lembranças ruins nas suas águas, deixando-as fluir com a água corrente de modo que se transforme em um novo ser. Enfim, transita tanto para o bem quanto para o mal e do sagrado ao profano.

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

TESOUROS*

Não sou autor do desenho


Sempre tive a curiosidade de saber, como os escritores constroem suas histórias. Deitado na minha cama, olhava para o teto do quarto. Às vezes, meus pais ficavam preocupados, quando me viam quieto no quarto por muito tempo. Um dia, quando estava quase dormindo, o esboço de uma princesa apareceu de repente. Era de madrugada. Sua aparência era formada por rabiscos indefinidos e em preto e branco. Fiquei surpreso com a sua aparição:


– Quem é você?

–Sou um esboço de uma princesa.

– Você é tão bonita, de onde você vem?

– Venho do Reino dos Esboços e dos Rascunhos. Quer conhecê-lo?

– Desejo sim.

Ela me levou ao mundo que havia um mar de figuras inacabadas e palavras rasuradas; as folhas das árvores eram palavras soltas e fragmentos de desenhos; o sol e a lua, um do lado do outro, eram apenas rabiscos sombreados. Apesar deste mundo fosse sem cor, tudo era vibrante na essência.

– Desenhistas, escritores e pintores visitam o Reino dos Esboços– disse a princesa esboço.

– Posso visitar este lugar, a hora que eu quiser?

– Claro que sim, esse lugar é livre.

– Você já se viu pronta? Se é linda como inacabada, imagina pronta.

– Não quero ser acabada. Gosto viver aqui, onde as idéias se originam. Aqui tudo se modifica.

– Falando assim, queria ser esboço também. Bem, já está na hora de regressar. Amanhã, tenho aula cedo.

– Quando quiser voltar, é só me chamar.

Com o passar do tempo, meus pais não entendiam a minha razão de colar um monte de rabiscos e textos rasurados nas paredes do meu quarto. Nunca disse nada a ninguém, que os meus verdadeiros tesouros, eram os rascunhos e os esboços que faço. São manifestações primeiras das minhas idéias.

Até adulto, deixo-me levar pela Princesa esboço.


*Escrito em 2005

segunda-feira, 14 de setembro de 2009


Crédito da foto: http://blog.uncovering.org/archives/uploads/2008/08030307_blog.uncovering.org_bonecas.jpg


ANA CLARA

Adorava manipular suas bonecas e fazer intrigas para que brigassem. Um dia, gritou de pavor ao ver uma das bonecas decepada.

sábado, 12 de setembro de 2009


Imagem encontrada no google


SEM DIZER ADEUS

Sai de casa sem rumo pela rua. Tem o rosto sereno. O curioso é que sua sombra parece carregar algo com cuidado, mas a mulher caminha sozinha. O marido com os olhos umedecidos observa a esposa partir com o filho que nunca tiveram, devido a sua resistência.

sexta-feira, 11 de setembro de 2009




O GIGANTE

Nos dias em que havia o baile das fadas, limpava profundamente o nariz. A música e a felicidade que elas emanavam dentro da sua venta faziam com o que ele se sentisse menos solitário.


Crédito da foto: http://www.vivaterra.org.br/barata_esgoto_5.1.jpg

SALVOS BREVEMENTE PELA BARATA


Um silêncio sepulcral paira na sala de jantar. Todos jantam voltados para si mesmos. Geralmente ficavam deste jeito quando havia aqueles históricos “barracos de família”. De repente, uma enorme barata voadora pousa na salada. Gritos surgiram, um sapato jogado no meio da mesa, risos e a barata esmagada junto com a alface. Atravessaram a noite toda conversando e brincando. As mágoas foram suspensas temporariamente.

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

CRÉDITO DA IMAGEM: http://www.planetaeducacao.com.br/novo/imagens/artigos/dialogo/QuantosPensamentos2.jpg

SEM ESCAPATÓRIA

Ele sabia o motivo daquela conversa. Andava bem devagar, tentando ludibriar o tempo. Na verdade, não a amava; mas, não queria se separar das longas conversas que tinha com o sogro, as comidas gostosas da sogra, as temporadas de carnaval na casa de Búzios da prima dela e os amigos que conhecera através da namorada. Era um conjunto de fatores que lhe dava prazer e não sentia falta de mais nada. Percebeu que ela estava ficando fria e atendia chamadas estranhas ao celular. Fingia não perceber e procurava se distrair com alguma coisa. Era mestre nisso. Entretanto, não havia mais subterfúgio, ela disse que precisava conversar sério. Diminuía os passos, mas a casa da namorada se tornava cada vez mais gigantesca.


Giverny - França, jardim da casa de Monet http://www.baixaki.com.br/papel-de-parede/4508-giverny-franca-jardim-da-casa-de-monet.htm


CONSELHO: “FLOR DE LONGE CHEIRA MELHOR"

Não seguiu o conselho da avó. O menino ao encontrar um belo jardim, aspirou profundamente os aromas das flores. Inebriado, tropeçou numa raiz sobressaltada e foi ao encontro da pedra da fonte do jardim. Fraturou o pescoço.

Crédito da foto: http://www.teclasap.com.br/blog/wp-content/uploads/2008/08/romantismo.jpg


PLATÔNICO

Todas as pessoas que ele amou sentiam-se sós e algumas entravam em depressão aguda. Era deslumbrado pelo sentimento do amor e se dizia profundamente apaixonado por quem estava ao seu lado. Todavia, com o passar do tempo, por não compartilhar sua vida, o outro experimentava a sensação de ser excluído do mundo utópico que ele construíra.

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

The Journey, 2001

Jan saudek/http://www.saudek.com/en/jan/fotografie.html?r=2001-2005&typ=f&l=0&f=423

COMEÇO E FIM

O garotinho esperava o homem que caminhava exaurido em uma estrada. Olharam-se e pela expressão de seus rostos, pareciam ser velhos conhecidos. Um estendeu a mão para o outro e retornaram para casa sem dizer uma palavra.

terça-feira, 8 de setembro de 2009



Imagem enviada por e-mail

“ AMO”

Amanheceu desejando sentir o amor oceânico. Viver o sentimento em estado bruto, sem mais ideologias. Quis se despir dos discursos alheios que o antecederam há anos. "AMO", gritava em pensamento. Prometeu que não ia se aborrecer com o caos da cidade. Estufava o peito e não se importava que o coração pudesse se dissolver. Refletiu que viver era bom e o amor, uma atmosfera que tornava o mundo habitável: “ O amor é o universo”, repete baixinho como se fosse um mantra. Seu olhar se expandiu. Percebeu que as nuvens o acompanhavam; o rosto iluminado da jovem ouvindo no Mp3 as músicas de sua religião, um cachorro acompanhando a senhora com dificuldade de andar e o jovem casal com o bebê dormindo no colo materno...

Para os outros, parecia bêbado; porém estava inebriado pelo amor absoluto.

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Filme Metropolis (1927)



TURBILHÃO

Foi aconselhado que se quisesse esquecer-se de tudo, deveria viajar para Metrópole. Quando chegou, diversas informações o deixaram com a cabeça transbordando. Com o tempo, não recordava mais das antigas lembranças. Arranjou um emprego que o ocupava a maior parte do tempo e quando estava livre, ficava conectado na internet à exaustão. Eram tantas informações que se esquecia segundos depois. Ficava sem rumo com o turbilhão de novidades que aconteciam em tempo real.

Autor da foto Carlos Reis http://br.olhares.com/brincando_na_areia_foto1893844.html



LIVRE

Ficar em seu corpo estava se tornando um fardo. Não aguentava mais as coceiras e as deformações pelo corpo. Procurou no fundo do armário uma foto, quando não sofria de agudas crises alérgicas: Era um garoto que brincava com a areia da praia. Começou a olhar fixamente a imagem da fotografia.

No dia seguinte, só descobriram a foto de um adulto a brincar na areia.

domingo, 6 de setembro de 2009



Imagem encontrada na Google

VIDAS QUE SE CRUZAM

No penhasco, olhos vermelhos e inchados, observava o horizonte. Ao olhar para trás, viu o cão. O homem foi embora apressado por medo do bicho e porque,tomado por uma alergia repentina, precisava se medicar. O cachorro ficou sozinho no cume do penhasco. Esperava seu dono que caíra acidentalmente deste mesmo lugar há alguns anos.




LENTE

"Quão maravilhosas as pessoas que não conhecemos bem!" [ Millor Fernandes ] **

Ao ler esta frase, não quis mais se autoconhecer. Hoje em dia, vive de bem com a vida. Mesmo quando, em alguns momentos, as sombras do inconsciente assombram os pensamentos.

***

Uma pessoa muito querida e amiga me enviou por e-mail esta citação.

sábado, 5 de setembro de 2009


O QUADRO

[Mulheres com suas vaginas apontadas para o céu lançam fetos-mísseis que destroem aviões, tanques e uma cidade. No céu esverdeado, paira uma rosa gigantesca.]

artista desconhecido.


sexta-feira, 4 de setembro de 2009

quinta-feira, 3 de setembro de 2009



Autor da foto Pedro de Sá http://br.olhares.com/o_despertar_da_arte_foto2925687.html

ALMA( outra versão)

Desde menina desenhava por horas, sozinha e os pais ficavam preocupados por ela não ter amigos. Não precisava ter companhia, pois os amigos e diferentes bichos que rabiscava, transcendiam os papeis para brincar com ela. Vizinhos e os pais ficavam assustados com os barulhos que saíam do quarto da menina. Anos depois, morava sozinha e não era de muito papo com os vizinhos. Quando se sentia sozinha, pegava no fundo da gaveta seu autorretrato que ela mesma ilustrou. Fruía momentos maravilhosos, depois colocava o desenho no lugar.

quarta-feira, 2 de setembro de 2009

Edward Hopper

Um dia,

quando procurava um apartamento para alugar, encontrou um espaço vazio que lhe era íntimo. O ambiente desocupado transbordava significados que ele ainda não conseguia decifrar, mas que dialogava com ele. Observou a luz se expandir na imensidão vazia do recinto e, ao mesmo tempo, sentiu-se aquecido, como se a claridade penetrasse nos vácuos existentes dentro dele. Começou a pensar que os objetos apesar de não terem vida, possuem de certa forma uma aura que entra em contato constante com a dos vivos.